Sociedade

António Costa desautoriza Pedro Nuno Santos

António Costa revoga o despacho apresentado pelo ministro das Infraestruturas, Pedro Nuno Santos (PNS), sobre a solução aeroportuária de Lisboa.
António Costa. Foto: Lusa/Rodrigo Antunes

No dia 30 de junho de 2022, o primeiro-ministro voltou atrás com a decisão, um dia após o despacho, porque o ministro das Infraestruturas e da Habitação não informou nem o Presidente da Républica nem o líder do PSD, principal oposição, sobre o plano antes de este ser anunciado ao país.

O plano consistia em avançar com a construção do aeroporto do Montijo, prevendo-se que ficasse pronto em 2026, previsão essa anterior à data de finalização da construção do aeroporto de Alcochete. Assim que o aeroporto de Alcochete ficasse operacional, em 2035, o atual aeroporto Humberto Delgado encerraria.  Segundo Pedro Nuno Santos, a construção do aeroporto do Montijo era uma solução rápida para responder ao aumento de procura em Lisboa.

É possível criticar esta afirmação, realçando o lado humorístico desta situação, na medida em que seria uma solução tão rápida que o ministro das Infraestruturas e da Habitação nem conseguiu esperar pela aprovação do Presidente da República e da tomada de posse, este fim-de-semana, do novo líder do PSD: Luís Montenegro.

O Ministério das Infra-Estruturas decidiu nesta quarta-feira publicar um despacho onde definia a solução para o novo aeroporto, uma decisão que causou surpresa. De acordo com o Público, tal resulta do facto de que o primeiro-ministro tinha defendido recentemente que o que viesse a ser decidido teria de ser em consenso com o novo líder do PSD, Luís Montenegro, que foi eleito a 28 de Maio em eleições directas e que aguarda o congresso deste fim-de-semana para tomar posse como presidente do maior partido da oposição. Costa desafiou mesmo o líder eleito do PSD para uma reunião em Julho.

Segundo o Público, este ato de revelia de Pedro Nuno Santos, que não agiu de acordo com as ordens do chefe do governo, pode resultar em vários desfechos, dos quais poderão ser: o ministro das Infraestruturas demite-se ou é demitido.

Marcelo Rebelo de Sousa, para já, ainda não se pronunciou. Já o PSD, CHEGA, CDS e IL pedem a demissão de Pedro Nuno Santos. O Bloco de Esquerda exige explicações por parte de António Costa.

 

Escrito por Inês Couto Gonçalves

Revisão por Beatriz Oliveira