Sociedade

Johnny Depp e Amber Heard: a busca pela verdade

Johnny Depp testemunhou esta terça-feira (19 de abril) contra a ex-mulher Amber Heard. Após ser acusado de violência doméstica em 2016, o ator acusou a ex-mulher de difamação, perante afirmações da mesma num artigo que escreveu para o The Washington Post em 2018.
Johnny Depp na sessão judicial de dia 19 de abril. Créditos: Epa

2009-2015: primeiro encontro no set do filme “O Diário a Rum”

Em 2009, começaram as gravações do filme “O Diário a Rum”, do diretor Bruce Robinson. Johnny representou Paul, um jornalista nova-iorquino que deixou tudo para trás para se mudar para Porto Rico. Amber interpretou Chenault, a noiva de um dos homens mais poderosos e corruptos da cidade. Na altura das gravações, o ator estava casado com Vanessa Paradis desde 1998 e a atriz estava numa relação com a fotógrafa havaiana Tasya van Ree.

Em setembro do mesmo ano, Amber Heard foi detida sob a acusação de violência doméstica sob a sua então namorada, mas as queixas foram retiradas. Em 2012, ambos separaram-se das suas relações. Da relação com Vanessa Paradis, Depp teve dois filhos: Lily-Rose Depp e John “Jack” Depp III, atualmente com 22 e 20 anos. Cerca de dois anos depois, Amber foi fotografada com um anel de noivado que, posteriormente, confirmou o noivado dos atores. No ano seguinte, casaram-se numa cerimónia privada para amigos e parentes mais próximos.

2016: primeiras acusações

Em maio de 2016, Amber pediu o divórcio e recorreu ao tribunal para pedir uma ordem de afastamento temporária contra o ator, que foi aprovada. A atriz acusou Depp de violência doméstica nas formas verbal e física. Em declarações fornecidas à CNN, Amber relatou que o ator tinha um comportamento abusivo devido ao “historial de abuso de drogas e álcool”.

Após estas acusações, o comediante de stand-up Doug Stanhope, amigo do ator, acusou a atriz de chantagear e manipular Depp caso ele não aceitasse os seus termos do divórcio. Numa carta aberta ao site TheWrap.com, o comediante revela que as mudanças de humor de Johnny não eram somente porque tinha perdido a mãe há pouco tempo, mas também porque Amber estava a ameaçar deixá-lo. A atriz respondeu à revista ‘People’ acusando Doug de “orquestrar um plano para escrever um artigo que a acusa falsamente de chantagem e outros comportamentos contra o seu marido, Johnny Depp, que quem ela se está a divorciar”.

Em agosto do mesmo ano, o ator aceitou um acordo que o fez pagar 7 milhões de dólares (cerca de 6,4 milhões de euros) à atriz, que a mesma alega ter doado à União Americana de Direitos Civis e ao Hospital Pediátrico de Los Angeles. No ano seguinte, o divórcio foi finalizado.

Johnny Depp no dia 19 de abril. Créditos: REUTERS-POOL

2022: Johnny Depp processa a ex-mulher por difamação

O ator pediu uma indemnização no valor de 50 milhões de dólares (cerca de 46 milhões de euros) por um artigo de opinião que a ex-mulher publicou em 2018 no The Washington Post. Apesar de o artigo não conter explicitamente o nome do ator, o advogado de Depp, Benjamin Chew, refere que são feitas alegações claras ao relacionamento de ambos e que tal está a afetar diretamente a sua carreira e reputação.

Johnny Depp testemunhou durante cerca de três horas e nesse período de tempo Amber nunca se pronunciou. Numa sessão serena, o ator descreveu as declarações da ex-mulher como “diabólicas, perturbadoras e sem qualquer tipo de fundamento”. O ator garante que “jamais bateu numa mulher na vida”. A sua principal preocupação é “encontrar a verdade” e proteger os filhos que, na altura das primeiras acusações, ainda andavam no ensino secundário.

“Achei diabólico que os meus filhos tivessem de ir para a escola e terem os amigos a abordá-los com a famosa capa da Revista ‘People’ com a senhora Heard com uma nódoa negra na cara” – Johnny Depp, na sessão judicial de dia 19 de abril.

Na sessão, o ator contou os seus traumas de infância onde foi vítima de violência doméstica por parte da mãe. Abandonado pelo pai aos 15 anos, o ator revelou que, por essa altura, já tinha experimentado todo o tipo de drogas. Apesar do seu problema de toxicodependência, Depp diz que a ex-mulher está a usar o seu problema contra ele. O ator garante, também, que não consumiu opioides durante a relação de ambos.

Para terminar, pediu desculpa pelas mensagens de texto enviadas a amigos sobre a ex-mulher onde afirma querer queimá-la e afogá-la. Justifica o facto com humor negro que o ajuda a “lidar com a dor”, mas sente-se extremamente “envergonhado” pelo que disse “no calor do momento”.

Johnny Depp e Amber Heard apresentaram listas de potenciais testemunhas que podem vir a ser chamadas como Elon Musk, ex-namorado da atriz, e o ator James Franco. O julgamento foi transmitido em direto na plataforma Youtube por vários canais televisivos norte-americanos como a NBC News e a CBS News. O ator norte-americano de 58 anos foi obrigado a desistir dos seus papéis como Jack Sparrow em “Piratas das Caraíbas” e de Gellert Grindelwald em “Monstros Fantásticos: os Segredos de Dumbledore”, filme que estreou este mês nos cinemas.

Artigo de Sofia Guimarães

Revisão de Inês Santos