Sociedade

As diferenças raciais num mundo a preto e branco

Numa conferência de imprensa, o diretor-geral da OMS abordou a questão das diferenças raciais e como estas se têm manifestado face aos eventos mais recentes no globo, como a guerra na Ucrânia.
Fonte: Folha de S. Paulo

O mundo parou com o início do conflito entre a Rússia e a Ucrânia e com as repercussões que este está a ter. Contudo, em várias partes do globo estão a acontecer outros conflitos armados. Existem, no momento, pelo menos mais 17 países espalhados pelos continentes africano e asiático a serem alvos de guerras duradouras e completamente devastadoras.

O conflito europeu que já fez alguns milhares de vítimas, em pouco tempo assumiu proporções desmedidas. Intervenções foram feitas ao longo de vários sítios no mundo, no entanto, parece que alguns cantos foram esquecidos. Guerras que duram há mais tempo e que causam estragos inimagináveis, não chegam à boca das pessoas nem lhes é oferecida a mesma atenção e solidariedade que se tem visto ao longo das últimas semanas para com a Ucrânia.

Numa conferência de imprensa, Tedros Adhamon Ghebreyesus, diretor da Organização Mundial da Saúde afirmou “Não sei se o mundo presta a mesma atenção às vidas de negros e brancos” e acrescentou que apesar da ajuda que tem sido prestada ultimamente ao território ucraniano ser necessária, não devia ser feita discriminação. Ainda nessa mesma conferência o diretor-geral da OMS menciona a tristeza que sente perante a desvalorização de outras regiões deixadas ao esquecimento pelos países de primeiro mundo, sendo esses os países com capacidades reais de causar mudança.

Exemplos destas regiões são, por exemplo, a Etiópia, Afeganistão, Síria, Iraque, Iémen, Líbia, Nigéria, Mali e muitos outros cuja história não se faz ouvir, principalmente no continente europeu. Desde ataques terroristas a guerras civis, estes países parecem viver em guerras infindáveis onde há uma maior crescente de fatalidades e destruição.

Tedros, oriundo de Tigré, uma região da Etiópia, menciona que foram prometidos 2000 camiões destinados a ajudar o país, que está desde 2020 num conflito, no entanto, apenas 20 chegaram.

“Toda a atenção prestada à Ucrânia é muito importante, é claro, porque [o que lá se passa] tem impacto em todo o mundo, mas não é dada sequer uma fração dessa atenção ao Tigray, ao Iémen, ao Afeganistão, à Síria e a todos os outros” declarou o diretor-geral da OMS.

 

Para saber mais sobre alguns dos diversos conflitos que estão a acontecer no mundo, fora da Europa, clique aqui

Escrito por Maria Barradas.

Revisão de Inês Santos