Sociedade

AVENIDA DOS ALIADOS RECEBE BIENAL DE VENEZA

A iniciativa que já vai na sua 14ª edição, conta com a presença de 12 ateliers portugueses. Dois desses ateliers ocuparão, até dia 21 de julho, o rés-do-chão do número 66/68 na Avenida dos Aliados, Porto.
Fotografia; Sara Sampaio

Durante quatro semanas, o edifício, que dantes se tratava de um espaço cultural abandonado, será ocupado por um projecto do atelier LIKEarchitects e “Homeland, News from Portugal” de Mariana Pestana, um jornal que conta já com três edições e que pretende servir como um instrumento para a exposição crítica sobre a habitação. Até dia 21 de julho, este grupo pretende dar uma nova vida a um edifício desabitado e promover uma discussão sobre o futuro da cidade do Porto; futuro esse que girará em torno do conceito “temporário”.

Durante essas quatro semanas serão debatidos com os interessados quatro grandes temas: Edifícios Vazios – é o alojamento temporário a solução para a (re)ocupação?; Hotéis e Hostels – o impacto dos residentes temporários na vida de uma cidade; Habitação Social – quando as soluções temporárias se tornam permanentes; e Novos modelos para a habitação temporária.

A iniciativa teve início a 7 de junho e irá estender-se até 23 de novembro. A mesma é resultado de uma parceria realizada com a Câmara Municipal do Porto e, especificamente, com três dos seus pelouros: Cultura, Habitação e Urbanismo. O evento também serviu de mote para a inauguração do programa de residências artísticas do pelouro da Cultura, em articulação com outros pelouros.