Sociedade

PEDRÓGÃO GRANDE: “SE O INFERNO É ISTO, VIVEMOS O INFERNO AQUI.”

Ocorreu este fim-de-semana, em Pedrógão Grande, aquela que é já vista como uma das maiores catástrofes naturais de que há memória no país, desafiando todos aqueles por ela atingidos e a solidariedade entre os portugueses.

No passado sábado, dia 17 de junho, deflagrou, em Pedrógão Grande, distrito de Leiria, um incêndio de vastas dimensões.

Tudo terá começado no seio de uma trovoada seca, da qual derivou um raio que terá atingido uma árvore, tendo-se aí verificado o epicentro de um fogo que se alastrou rapidamente, abrangendo já três distritos: Leiria, Castelo Branco e Coimbra.

Naquele que acabou por ser classificado como um dos incêndios mais mortíferos da história portuguesa, há já dados referentes a 63 vítimas mortais – de entre as quais 30 morreram na estrada, enquanto tentavam fugir -, mais de 100 feridos e e várias dezenas de desalojados. 

O sentimento daqueles que residem nos locais abrangidos pela tragédia é singular, partilhado também pelos que acompanham a situação: um clima de dor, impotência, angústia e desespero. Num clima de desespero misturado com o fumo denso que paira no ar, uma testemunha do incêndio declarou à RTP Informação: “”Se o inferno é isto, nós vivemos o inferno aqui.”

No local afetado pelas chamas, encontram-se mais de 900 operacionais, apoiados por mais de 300 veículos de socorro.

O Governo já decretou 3 dias de luto nacional, que perdurarão até amanhã, terça feira, dia 20 de junho. A ajuda e solidariedade têm vindo de várias entidades e de vários locais, tendo sido acionado o Plano Distrital de Emergência. Têm sido, também, várias as manifestações de apoio por parte de corpos governamentais. 

Estão a decorrer, também, campanhas de solidariedade organizadas por instituições como a AHRESP – Associação da Hotelaria Restauração e Similares de Portugal (delegação de Castelo Branco), o Banco Alimentar Contra a Fome (delegação de Castelo Branco) e a AEBB – Associação Empresarial da Beira Baixa (sede em Castelo Branco), entre outras. Tanto junto à sede destas instituições como em qualquer quartel de bombeiros, podem ser entregues bens constantes da seguinte lista:

Produtos alimentares não perecíveis;
Frutas e legumes sem necessidade de frio imediato;
Equipamentos e materiais agrícolas diversos;
Vestuário;
Lençóis, mantas, toalhas entre outros;
Mobiliário;
Eletrodomésticos;
Materiais de construção diversos.

A acrescentar a esta ajuda, a contribuição de cada cidadão pode ser realizada através de contas solidárias criadas pelos vários bancos nacionais, como é o caso da Caixa Geral de Depósitos, cujo NIB pode ser encontrado aqui, ou ainda, por exemplo,  ligando para a linha de apoio SIC, cujo número é o 760 100 100. Com uma chamada para este número, cada cidadão contribui com 0,60€ para apoiar as vítimas do incêndio.

Um grupo de artistas da zona de Leiria anunciou um espetáculo de solidariedade, a realizar-se no dia 24 de Junho, às 21h30, no Teatro José Lúcio da Silva. Entre os artistas e bandas participantes estão David Fonseca e Orquestra Jazz de Leiria, Academia de Ballet e Dança – Annarella, Omnichord Records, Samp Pousos, Orfeão de Leiria Conservatório de Artes e Fade In – Associação de Ação Cultural. 

Também o vencedor do Festival Eurovisão, Salvador Sobral, se aliou à causa pelas vítimas do incêndio e o valor dos seus CD’s, garante, reverterá a favor das mesmas. O cantor vai também participar no concerto solidário a realizar-se dia 27 de Junho, no MEO ARENA, cujas receitas reverterão na totalidade para apoiar as vítimas e reconstruir as áreas afetadas. Para além de Salvador Sobral, do cartaz constam nomes como Ana Moura, Rui Veloso e Carminho.