Sociedade

PORTO: FEMINISMO NEGRO E INTERSEÇÕES EM DISCUSSÃO

Na próxima Quinta-Feira, 16 de Março, vai realizar-se, na Gato Vadio, um diálogo sobre o feminismo negro. Experiências, estratégias e histórias vão ser contadas por diferentes participantes.

O evento consiste numa conversa no contexto do feminismo negro e das dificuldades que são vividas por mulheres sob o efeito racista e sexista.  Os participantes prometem falar sobre as experiências de mulheres negras que vivem em Portugal e no Brasil. Também vão ser reveladas estratégias para enfrentar os problemas que podem surgir relativamente a esta temática, focando com principal atenção a violação dos direitos das mulheres.

Os convidados confirmados para falarem neste diálogo são Emanuelle Goes, feminista negra e colaboradora da organização Odara Instituto da Mulher Negra; Bruna Ferreira, feminista negra e blogger, Melissa Rodrigues, também feminista negra e colaboradora com a organização SOS Racismo e Joana Semedo, feminista e defensora dos mesmos valores e direitos.

A relação deste evento com a ideia de interseção baseia-se num conceito que tem sido desenvolvido por mulheres negras ativistas ao longo de muitos anos e que se destacou, em 1989, quando Kimberlé Crenshaw, uma estudante dos Estados Unidos, o utilizou como base para a realização da sua tese. No seu trabalho analisava como a raça, o género e a classe se intersecionam, criando as mais variadas formas de submissão e repressão.

Existem várias formas de fazer doações que vão ser, posteriormente, utilizadas para os custos do Festival Feminista do Porto (onde se encontra inserido este evento). Para além disto, é também possível entregar produtos de higiene íntima, tais como tampões e pensos higiénicos, por exemplo, que vão ser distribuídos a pessoas que necessitem deles. Esta parte do projeto é desenvolvida em conjunto com a Slut Walk Porto e com o Centro de Apoio ao Sem-Abrigo.

A roda de diálogo tem início às 21 horas na Livraria Gato Vadio, que se localiza na Rua do Rosário. A entrada é gratuita.