Sociedade

REABILITAÇÃO DE ILHA DO PORTO CONQUISTA PRÉMIO DA ONU

Pela primeira vez, uma faculdade de arquitetura portuguesa recebe um prémio das Nações Unidas. O mérito é de Maria Abreu, que viajou até Nova Iorque para mostrar que há nas escondidas ilhas portuenses uma porta aberta a novos espaços capazes de unir a comunidade. O JUP esteve à conversa com a estudante.

Fotografia: DR

Escondem-se dentro dos cantos da cidade e, distantes e discretas, caem no esquecimento de quem por elas tantas vezes passa. Mas o Porto continua a ser uma cidade de ilhas. De mais de novecentas ilhas povoadas maioritariamente por idosos que vivem em más condições e no risco eminente de isolamento.

Foi esta realidade que inspirou Maria Abreu, a desenvolver um projeto capaz de abrir estes espaços a toda a comunidade. O desejo de recuperar património e rejuvenescer o espírito das ilhas, num país cada vez mais envelhecido, levou a jovem a cruzar o Atlântico para participar no concurso “A Society of All Ages”, promovido pela organização International Council for Caring Communities em parceria com a ONU.

Na sede das Nações Unidas, em Nova Iorque, Maria integrou um grupo de estudantes cujos projetos, atentos às necessidades da população idosa, fossem capazes de resolver conflitos geracionais e promovessem uma comunidade unida.

A partir dos objetivos principais do concurso, a escolha do trabalho a desenvolver não foi difícil para a estudante. “Pondo de parte a criação de uma nova estrutura que se assemelhasse, em termos funcionais, a um lar ou centro de dia, surgiu a ideia de concorrer com uma proposta de reabilitação, de modo a levar conforto e novas soluções para onde as pessoas necessitam. A partir daí, bastou a referência, no regulamento do concurso, ao fator replicabilidade, como um ponto a favor de qualquer proposta para as ilhas se mostrarem um pertinente objeto de projeto para este desafio”.

Na sua apresentação, debruçou-se sobre uma proposta de reabilitação de uma ilha em específico, localizada na Rua dos Bragas, em Cedofeita. Esta dispõe de um conjunto de caraterísticas capazes de dar resposta ao desafio lançado. Para além da localização central e da sua proximidade com meios de transporte, serviços públicos e comércio, está igualmente perto da Faculdade de Direito, aproximando assim duas gerações e realidades distintas.

A particularidade deste tipo de espaços suscitou um grande interesse por parte da audiência, que atribuiu à proposta de Maria Abreu uma Menção Honrosa, a primeira premiação deste género que vem para Portugal. “Quando recebi a notícia da premiação, justificaram-na com o facto de ter sido uma proposta bem apresentada e com ideias bastante criativas para o futuro. Já na apresentação, senti que suscitou interesse pela especificidade morfológica das ilhas e por ser um projeto de reabilitação, menos vulgar neste tipo de concurso”. A jovem acrescenta ainda que, por estes motivos, o impacto da sua proposta foi positivo, não só para valorização do seu trabalho, como também para dar a conhecer uma realidade tão presente no Porto, e que era desconhecida por parte dos membros das Nações Unidas.

 

A vontade de dar vida a esta ideia

Na bagagem, a estudante da FAUP não regressou apenas com a Menção Honrosa. Para além de memórias de uma experiência única, chegou a Portugal com “muita inspiração para desenvolver este projeto como tema de Dissertação para concluir o Mestrado Integrado em Arquitectura” e com “ vontade de desenvolver ainda mais o projeto, com base num maior diálogo com os moradores de modo a aproximar as soluções às vontades e anseios de quem habita as ilhas”.

No entanto, para já, a reabilitação das ilhas irá permanecer no papel. O concurso de ideias confirmou a capacidade de pôr em prática esta proposta, mas é necessário mais do que a vontade. Maria reconhece a importância do poder de investimento dos proprietários, “sejam eles a Câmara Municipal ou particulares”. O certo é que o projeto não ficará por aqui e o futuro dirá se as ilhas do Porto poderão ser capazes de abrir portas para toda a cidade, aproximando cada vez mais todos os que nela habitam.