Sociedade

MANIFESTAÇÕES PRÓ-ABORTO NA POLÓNIA

No dia 3 de abril reuniram-se milhares de pessoas em Varsóvia para protestar fora do Parlamento contra a proibição completa do aborto na Polónia. A Polónia é um dos países mais católicos na Europa e tem uma das leis mais rígidas que regulam a interrupção da gravidez, que foi criada em 1993. Recentemente, a Igreja Católica fez um apelo ao governo a pedir a proibição total de abortos. Jarosław Kaczyński, líder do polaco partido do governo PiS, e o Primeiro-Ministro Beata Szydło apoiaram a proposta e concordaram em promover a abolição completa da interrupção de gravidez.
Fotografia por Magdalena Dębińska-Kubiak

Entrevistamos Magdalena Dębińska-Kubiak sobre o evento:

Mais uma vez obrigado por colaborares. Antes de mais, poderias dizer-nos mais sobre ti mesma, o teu trabalho e se tens ou não filhos (ou planeias ter)?
Eu tenho 42 anos, moro em Poznan com meu marido e filha Piotr Malwina. Ela tem quase 14 anos de idade. Eu trabalho em design gráfico e como fotógrafa de casamentos.

Descobrimos mais sobre manifestações através de um artigo do The Guardian. Referia que tanto o líder do partido do governo polonês PiS e o Primeiro-Ministro apoiaram as autoridades da Igreja na sua decisão, o que a tornaria dominante. Quando é que soubeste dessa decisão?
A organização “Pró-vida” apresentou ao parlamento um projeto de lei exigindo a proibição total de abortos. Todos os padres  de todas as igrejas polacas leram, no último domingo , uma carta do Episcopado, afirmando que Beata Szydło e Jaroslaw Kaczynski entraram em acordo com as autoridades da Igreja Católica (no entanto, após manifestações, eles começaram a retirar-se).

Quem organizou a manifestação? Como tomaste conhecimento sobre a mesma?
Foram organizadas pelo partido de esquerda “Together”. Eu encontrei informações no Facebook, porque muitos dos meus amigos compartilharam o evento, e decidi participar de imediato.

Os diversos media mostram mulheres que protestam com alguns slogans. Houve alguma atitude igual da parte dos homens?
Cerca de 50% dos manifestantes eram homens! Fiquei mesmo surpresa. Pensei que iam sobretudo mulheres protestar.

Qual foi o teu slogan de protesto? Pelo que percebi estavam a gritar “o meu corpo – as minhas escolhas”?
Era “Pare de torturar as mulheres”. E outras frases eram “Proteger as mulheres contra a Igreja” e “O meu útero não é uma capela”.

Nas fotos da manifestação podemos ver mulheres a segurar cabides ou imagens de cabides. O que simbolizam?
Os cabides representam os tempos passados, quando as mulheres tinham de obter abortos ilegais ou para demonstrar os próprios. Um cabide era um objeto presente em casa de cada mulher e foi uma das ferramentas utilizadas para realizar abortos.

E hoje em dia, as mulheres polacas ainda fazem abortos ilegais?
Sim, elas ainda o fazem. Eu sei que algumas mulheres que encomendam comprimidos abortivos pela Internet. Mas elas nunca têm a certeza se estes são seguros: houve muitos casos de fraude quando as mulheres tomavam comprimidos de ervas comuns que não tinham efeito ou até mesmo substâncias perigosas e nocivas para a saúde. Na maioria das vezes as mulheres que realizam abortos ilegalmente dirigem-se aos médicos polacos. Algumas viajam para outro país como a Eslováquia ou a Alemanha, onde os abortos são legais.

A Polónia é um país muito religioso e muitas pessoas atribuem o direito à Igreja Católica de fazer correções nas leis governamentais. És crente na Igreja Católica? Achas que as instituições religiosas devem ter esse poder executivo?
Eu não sou religiosa mas tive um batizado católico. Tanto o meu marido como a minha filha são religiosos. Penso que Igreja Católica não deve ter a autoridade para alterar leis do governo. Mesmo as mulheres religiosas por vezes fazem abortos. Eu acho que qualquer mulher deve o direito a escolher. Agora na Polónia o aborto é legal somente em 3 casos: quando o feto tem problemas de desenvolvimento e é suscetível de ser prejudicado, quando a gravidez coloca em perigo a vida e a saúde da mulher ou quando a gravidez resultou de uma agressão sexual. Eu sei que 75% das pessoas dos polacos não querem mudar esta lei. Pessoalmente eu não apoio o aborto, mas eu quero que as mulheres tenham essa escolha. Como mãe eu também espero que minha filha nunca tenha que fazer essa escolha, mas eu quero que ela tenha o direito de fazê-la.

Esta sexta-feira passada, 8 Abril, outra manifestação foi organizada por um partido político “moderno”. No sábado, 9 de abril, uma nova rodada de manifestações foi organizada em Varsóvia e outras cidades da Polónia.