Sociedade

“VIRAR DA PÁGINA”: UM VISLUMBRE DE ESPERANÇA PARA O FUTURO

No passado mês, foi inaugurada a exposição de fotografia “O Virar da Página”, de José Sarmento Matos, em parceria com a APAV. Esta teve início no dia 19 e estará aberta ao público até 7 de abril, na Atmosfera M, no Porto.
Fotografia por Beatriz Teixeira

Nas paredes brancas de grandes janelas daquela sala, são apresentados alguns retratos, desde jovens a idosos, mulheres ou homens, que sofreram crimes violentos. Com apenas uma fotografia e um breve texto a acompanhar, José Sarmento apresenta as histórias de pessoas que, nas suas vidas, viram, sentiram e viveram a crueldade, a infelicidade e a dor que o ser humano pode e consegue causar no outro.

Entre Setembro de 2014 e Abril de 2015 cerca de 30 pessoas foram fotografadas e entrevistadas, vítimas de violência doméstica, tráfico humano, stalking, entre outros. A singularidade desta exposição prende-se com o facto de esta não retratar somente o passado das vítimas, mas também de apresentar o modo como estas lidam com os traumas do passado no presente.

Conscientes do considerável aumento da violência em Portugal, as vítimas, com o apoio da APAV, decidiram expor as suas histórias pessoais de modo a alertar a sociedade portuguesa do comportamento deste fenómeno nos últimos anos e a encorajar todos aqueles que são vítimas a procurarem apoio.

Pelas palavras de José Sarmento Matos “Estas pessoas, lutando contra a sua própria vergonha, medo e vulnerabilidade, pediram ajuda à APAV e aceitaram agora expor as suas histórias pessoais, com o principal objectivo de alertar a sociedade para o fenómeno da violência e encorajar todos aqueles que são vítimas a reagirem à situação e a procurarem apoio.”

As fotografias de João Sarmento expressam sobrevivência, força, e esperança. Esperança que lhes foi dada pela APAV, e que querem agora dar também a tantos outros que sofrem, em Portugal, de violência, desde física à psicologica, de algum tipo de repressão; a tantos outros que vivem com medo, dedicam este projeto, para mostrar que existe uma luz ao fundo do túnel.

O fotógrafo e os fotografados, juntos, para mostrar a força que muitas vezes as pessoas julgam não possuir, para mostrar que existe um futuro, que é possível virar a página.