Diz me outra vez, tal como nas tão nossas noites ébrias à lareira com um copo de vinho tinto na mão, um cigarro na outra e livros de poesia na mesa, sentados naqueles velhos cadeirões, o quanto gostas de me observar a escrever à janela, com o olhar a vaguear pelo jardim de lírios...