Autárquicas 2021 Política

Autárquicas 2021: São João da Madeira

São João da Madeira pertence ao distrito de Aveiro e à Área Metropolitana do Porto. Em 2017, a vitória do PS foi uma das surpresas, visto que a tendência neste município tinha sido, desde 2001, a vitória à direita. Por Beatriz Carvalho

Nas últimas eleições autárquicas, o partido socialista venceu com 55,37% dos votos, elegendo Jorge Sequeira. Este resultado veio contrariar uma tendência que se registava desde o início do século XXI, com as consecutivas vitórias do PPD/PSD.

Em 2021, Jorge Sequeira pode voltar a ser reeleito. O principal adversário do autarca será o candidato da coligação à direita, o deputado João Almeida, já que o PPD/PSD.CDS-PP obteve 32,23% dos votos, em 2017.

Retrato do município

São João da Madeira, que se localiza no distrito de Aveiro e pertence à Área Metropolitana do Porto, tinha cerca de 22 mil habitantes, em 2020. O número de habitantes aumentou 1,2%, comparativamente a 2009, apresentando a 3ª maior densidade populacional da AMP, atrás apenas do Porto e de Matosinhos.

Ao longo da última década, a população residente tem envelhecido, realidade que se pode verificar através do rácio de 166,4 idosos por 100 jovens, o que significa que São João da Madeira é o 7º concelho com maior índice de envelhecimento na Área Metropolitana do Porto.

O ganho médio mensal destes residentes era, em 2019, de 1,074 euros, o 7º menor ganho médio mensal da AMP. Além disso, o poder de compra per capita deste município, em 2017, era de 135,4, o 2º maior poder de compra na AMP.

Nos censos realizados à população em 2011, foi possível observar que 16,3% dos residentes tinha como nível de escolaridade o ensino secundário e 13,4% dos habitantes do município tinham finalizado o ensino superior.

O setor de atividade mais predominante nesta cidade é o que engloba as indústrias transformadoras, já que, em 2019, teve a maior percentagem (60,9%) de residentes ao serviço. Os dados permitem, ainda, observar que a relevância deste setor se manteve constante ao longo dos últimos dez anos.

Com uma população ativa equivalente a 67,5% dos habitantes, em 2020,  6,2% da população estava inscrita num Centro de Emprego e Formação Profissional. Assim, São João da Madeira apresenta a 7ª maior percentagem de residentes inscritos num IEFP na AMP.

Candidatos para as eleições autárquicas de 2021

Jorge Sequeira (PS)

Foto: Cartaz para a campanha de Jorge Sequeira. Fonte: Jorge Sequeira 2021/Facebook

Nas eleições autárquicas de 2021, o advogado Jorge Sequeira apresentou a sua recandidatura pelo PS. O antigo membro da Assembleia Municipal de São João da Madeira e chefe de gabinete do Subsecretário de Estado da Administração Interna espera “continuar a contribuir para o desenvolvimento” do concelho e recuperar da crise económica que resultou da pandemia.

João Almeida (PPD/PSD, CDS e IL)

Foto: Cartaz para a campanha de João Almeida. Fonte: João Pinho de Almeida – S. João da Madeira 2021

João Almeida é o candidato escolhido pela coligação PSD/CDS e conta com o apoio da Iniciativa Liberal. Para o jurista e atual deputado, o objetivo é reverter os fatores que proporcionam a saída de empresas emblemáticas de São João da Madeira. Segundo o candidato, é necessário trabalhar para a construção de um “município dinâmico, empreendedor e capaz de dar a melhor qualidade de vida a quem cá vive”.

Sara Costa (BE)

Foto: Cartaz para a campanha do BE. Fonte: Bloco de Esquerda – São João da Madeira/Facebook

O Bloco de Esquerda concorre às eleições autárquicas com a ativista e escritora Sara Costa, que destaca a importância do “direito à habitação e a habitação de qualidade”. Além disso, a doutoranda em Relações Internacionais pela Universidade Nova de Lisboa, realça a necessidade de trabalhar para a municipalização da água, que contribuiria para o decréscimo na fatura.

Jorge Cortez (CDU)

Foto: O candidato do CDU, Jorge Cortez. Fonte: Labor

Por fim, o CDU  escolheu o engenheiro Jorge Cortez como candidato à Câmara Municipal. Um dos desafios apontados pelo candidato, que é o único deputado com representação na Assembleia Municipal pelo partido, está relacionada com o salário médio mensal no concelho, que é, atualmente, inferior à média nacional e à registrada na AMP. O candidato acredita que “na nossa cidade e na nossa região, há muitos trabalhadores que apesar de terem emprego são pobres”.

Artigo da autoria de Beatriz Carvalho. Revisto por Inês Pinto Pereira.