MEU LISBOA 2018: A SIMULAÇÃO DA POLÍTICA EUROPEIA EM PORTUGAL – Jornal Universitário do Porto
Política

MEU LISBOA 2018: A SIMULAÇÃO DA POLÍTICA EUROPEIA EM PORTUGAL

De 1 a 4 de março a Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa vai receber o Model European Union. O JUP analisa em que consiste o evento, quais são os seus objetivos e a importância de pôr os jovens a debater.

O Model European Union constitui a simulação mais aproximada da política europeia e dos seus processos legislativos. A conferência promove o debate entre os jovens europeus e possibilita uma maior informação sobre como se desenrolam as negociações europeias.

O MEU tem lugar em vários países da Europa, entre os quais, por exemplo, se encontram a França, mais especificamente Strasbourg. São selecionados os temas do evento, pelo que os participantes devem preparar-se previamente e escolher que cargo desejam representar. Ao longo dos dias da simulação os participantes irão discutir, debater, negociar e tentar chegar a um acordo sobre as propostas. Tal é conseguido seguindo os mesmos procedimentos que os deputados seguem no Parlamento Europeu, conferindo-lhe assim uma maior autenticidade.

A iniciativa organizada pela BETA France (Organização Não-Governamental) já foi, inclusive, elogiada por políticos como Martin Schulz, presidente do Parlamento Europeu, e Jean-Claude Juncker, presidente da Comissão Europeia.

No MEU Lisboa 2018, o primeiro em Portugal, os jovens entre 16 e 30 anos podem encarnar o papel de eurodeputado, ministro, jornalista ou fotógrafo, sendo a língua oficial de trabalho o português. Os temas de debate são “Igualdade de Tratamento no Emprego” e “Segredos Comerciais”.

A organização por detrás do evento em Portugal é a BETA Portugal – Bringing Europeans Together Association, fundada em 2017.

Segunda a BETA Portugal, “Esta é uma oportunidade para os participantes saírem da sua zona de conforto dado que o poder está nas mãos deles e alargarem os seus horiszontes com novas ideias que poderão ser úteis no futuro.”

No seguimento do presente artigo, o JUP foi entrevistar Catarina Neves, membro da BETA Portugal, aluna de Línguas e Relações Internacionais da Faculdade de Letras da Universidade do Porto e Vice-Diretora Geral da simulação:

 

Porquê fazer um MEU em Portugal?

O panorama de simulações políticas realizadas em Portugal tem sido marcado, maioritariamente, por simulações da Assembleia Geral das Nações Unidas. Já sobre a União Europeia são raras, sendo normalmente direcionadas somente para uma das instituições (nós propomo-nos a ter o Parlamento Europeu e o Conselho de Ministros na mesma simulação, bem como jornalistas); e, segundo nos constou, nenhuma delas estava inserida num projeto de continuidade. Por isso, um grupo de portugueses que se conheceu precisamente no Model European Union Estrasburgo (que é talvez o maior e mais realista de todos os MEUs que se fazem por essa Europa fora), do qual faço parte, decidiu fundar a BETA Portugal – Bringing Europeans Together Association. O ambiente vivido durante aquela semana em Estrasburgo foi intenso mas super enriquecedor, onde tivemos a oportunidade de aprender sobre a União Europeia para lá da sala de aula — e escusado será dizer que ficamos completamente rendidos! O nosso principal objetivo é o de instituir uma associação que se dedicasse não só mas principalmente a estabelecer uma tradição de MEUs no nosso país, porque sabemos que nem todos os jovens portugueses têm oportunidade de ir para o estrangeiro e tomar parte das que lá se realizam. O nosso plano anual contempla duas simulações por ano: uma em português e outra em inglês, aberta a toda a Europa (e a todo o mundo!). Por agora, vamos ver como corre a portuguesa e, depois, quem sabe, em março ou abril, voltaremos a dar notícias!

 

Quais são as tuas expectativas quanto ao evento?

Ver muitas caras, novas e conhecidas, com vontade de aprender mais sobre as instituições europeias e sobre o projeto europeu! Idealmente, gostaria que esta simulação não se limitasse a estudantes de Ciência Política, Relações Internacionais, Estudos Europeus ou Direito — o conhecimento da Europa é algo tão transversal (e do qual todos fazemos parte!) que gostaria que todos tomassem parte do MEU Lisboa.

Para além disso, e dado que iremos também ter uma equipa de jornalistas presentes na sessão, conto ver por lá alunos de Jornalismo, Ciências da Comunicação, Assessoria e Marketing e até mesmo entusiastas destas áreas — aqui está uma excelente oportunidade de porem os seus conhecimentos à prova!

Mas não é só a eles que destinamos a nossa ação, é a todos os jovens, não importa de que área sejam! Se nem todos os Eurodeputados estudaram Ciência Política, não podemos querer que os nossos participantes correspondam a esse molde! Qualquer pessoa entre os 16 e os 30 anos interessada em questões europeias pode (e deve!) participar!

 

O MEU é um evento direcionado para jovens. Qual é a tua opinião relativamente à realização deste tipo de eventos em Portugal?

É um nicho em crescimento. Quando andava no secundário, por exemplo, poucos eram os eventos deste género a que tinha acesso: ou porque não eram publicitados via redes sociais ou porque eram dirigidos a grupos restritos de pessoas, que andassem em determinados cursos ou já na universidade… O nosso objetivo é também desconstruir um pouco com esse estigma. Queremos algo aberto a jovens. Todos, sem exceção. Quer acreditem no projeto europeu ou não. O nosso trabalho é dirigido especialmente àqueles que sejam curiosos e corajosos o suficiente para darem o primeiro passo necessário para descobrir como funciona a União Europeia desde o seu interior, como funcionam os processos de decisão das instituições europeias — e, por experiência própria, afirmo com toda a certeza que vivê-lo é completamente diferente de estudá-lo. Pode parecer cliché mas o Model European Union mudou a minha vida, e gostava que o mesmo acontecesse a todos os jovens portugueses que queremos alcançar.

 

O que representa para ti ser Vice-Diretora Geral da simulação?

Um orgulho enorme. É o resultado de uma equipa forte, que, apesar do seu curto período de atividade, conta já muitas horas de trabalho, muitas dores de cabeça e noites mal dormidas — mas, no fim, tudo compensa. Quando lançamos o evento no Facebook, lembro-me de ficar fora de mim de tão feliz que estava com a adesão que estávamos/estamos a ter! Se todo este entusiasmo se traduzir, em março, na cara e na energia dos nossos participantes, era a melhor “prenda” que podia receber: seria um orgulho que, certamente, transcenderia o de ser Vice-Diretora Geral do MEU Lisboa 2018.

 

Fala-nos um pouco sobre a BETA Portugal. Quais são os seus objetivos principais, como podem os jovens portugueses fazer parte da mesma, que tipo de atividades a organização pretende realizar.

Para fazer parte da BETA Portugal, qualquer jovem português entre os 18 e os 30 anos pode registar-se como sócio através da nossa página do Facebook — basta clicarem no botão “Regista-te”. E, como já disse na minha primeira resposta, o objetivo primordial da nossa associação é a realização de dois MEUs por ano: o nacional, em português, e que, idealmente, se realizará em cidades diferentes todos os anos; e o internacional, em inglês, que se realizará em Lisboa e que contará com a participação de jovens de todos os cantos da Europa — e do mundo! No entanto, estamos já a preparar outro tipo de conferências e atividades de sensibilização, das quais, por agora, ainda não podemos avançar muita informação. Deverão estar atentos à nossa página do Facebook e ao nosso website para mais notícias!

A inscrição deve ser realizada até ao dia 10 de fevereiro, pelo que esta e mais informações podem ser consultadas no seguinte link: https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLSdPnqasUbuh37YZfU0nz4B8EN1_IVQpBEqlrfXb6s5DlWDryA/viewform, bem como no site da BETA Portugal.