Política

ESCÓCIA PRETENDE REFERENDAR INDEPENDÊNCIA

O governo da Escócia aprovou recentemente uma moção, dirigida ao Parlamento britânico, de pedido de referendo da sua indepêndencia. Apesar de em 2014 já se ter realizado um referendo, que versava sobre a mesma causa, a questão ressurge aquando da aprovação do Brexit.

O parlamento escocês aprovou, no mês de março, uma moção a ser entregue ao Parlamento britânico para a realização de um novo referendo à sua independência. Em 2014 já tinha sido realizado um, mas apesar de toda a campanha realizada pelo grupo “Yes Scotland”, a maioria sagrou-se contra a independência.

O ressurgimento da questão surge na senda de aprovação do Brexit e face à rejeição de uma proposta, realizada por parte do governo escocês a Theresa May, primeira-ministra britânica, com vista à manutenção da Escócia no mercado único, de modo a salvaguardar inúmeros empregos.

A chefe do governo escocês, Nicola Sturgeon, perante a recusa, realçou que, aquando da votação do Brexit, a maioria dos escoceses votou a favor da permanência na União Europeia e afirma: “Se a Escócia pode ser ignorada numa questão tão importante [como o Brexit], a nossa voz e o nosso interesse podem ser ignorados em todos os momentos e em todos os assuntos”.

Theresa May, após a manifestação das intenções escocesas, afirma que um referendo a ser realizado entre finais de 2018 e inícios de 2019 – antes da conclusão das negociações para a saída do Reino Unido da União Europeia – não é o melhor timing. Acrescenta, também, que apenas passaram dois anos desde o último e que o resultado de 55% contra a independência foi claro.

Gordon Brown, antigo primeiro ministro britânico, considera que a saída do Reino Unido da União Europeia não fortalece o pedido de referendo da independência. Acrescenta que a via a seguir será a de um acordo entre a Escócia e o Reino Unido: “Penso que ficará claro, nos próximos meses, que a terceira opção, em que a Escócia tem mais poder, como parte de um acordo federal com o Reino Unido, será a melhor opção”.