Artigo de Opinião

“SABICHÕES HÁ MUITOS, SEU PALERMA!”

Carina Dias
Carina Dias

Hoje em dia todas as pessoas têm uma resposta para tudo. Uns verdadeiros poços de sabedoria. São só sabichões, por isso é que o nosso país, e não só, está nesta imundície.

A seguir ao jogo de futebol é só pessoas a comentar como se devia ter feito para a equipa ganhar. Uns criticam e parece que, de um momento para o outro, um jogador ou uma equipa passa de bestial a besta. Outros aplaudem e afirmam que não esperavam outra coisa. O mesmo se passa com os economistas que dizem perceber muito de números e que têm um doutoramento e mais alguma coisa, contudo fazem previsões que nunca dão certo. Dizem que o nosso país vai melhorar, mas o que é verdade é que cada vez mais a carteira dos portugueses está a ficar mais leve que uma pena. Os nossos políticos são outros sabichões, conversam de tudo, criticam tudo o que os outros partidos fazem, mas as soluções é que não surgem! Nós portugueses ouvimo-los falar e até pensamos “sábias palavras”, mas de que nos servem as palavras? Há mais de 40 anos que vivemos apenas de palavras, de enganos e de mentiras. E a que é que isso nos levou? À situação negra que vivemos hoje em dia. Se perguntarmos a um leigo o que acha do sistema político, todos têm uma resposta na ponta da língua. Ou se critica e diz-se que os outros partidos atuariam melhor ou então diz-se que outro, melhor não fazia. E pronto vivemos de locuções, de opiniões, mas daqui a nada ficamos sem dinheiro e as palavras, por mais bonitas e inspiradoras que sejam, não vão pagar as contas.

O que é verdade é que nós não percebemos nada de nada. Fazemos as nossas opiniões com base no senso comum, não procurando informação, assim como os economistas, os políticos, os comentadores, que nada sabem. E porquê? Porque falta o essencial nisto tudo, que é a resposta “Não sei!”. A verdade é que nós somos ignorantes e não devemos ter medo de dizer isso. Só dizendo “não sei”, é que vamos aprender. Alguém nos vai explicar ou então vamos procurar a informação. Só assim podemos e temos autorização para falar. O grande erro desta crise é os nossos políticos terem medo de dizer “não sei”. Ao pensar que sabem tudo, acabam por estragar e tomar atitudes que colocam Portugal em risco. “Não sei” deverá ser a resposta, até eles saberem como se governa um país. Deverão estudar, em equipa, com vários profissionais, a nossa situação. Devem ir buscar ideias a outros países que podem resultar no nosso. Devem ouvir o povo. Só assim podem e devem tomar atitudes que irão mudar a vida dos portugueses. Custa muito dizer que “não sei”, mas custa ainda mais ver pessoas eleitas por nós a tomar decisões sem pés nem cabeça.

Por enquanto, a única coisa que posso dizer, visto que ninguém diz “não sei”, é que “sabichões há muitos, seu palerma”.

Save