Artigo de Opinião

ARREFECIMENTO GLOBAL

Na passada quinta-feira ocorreu em solo ucraniano um autêntico atentado a um avião civil com mais de duas centenas de mortos. As acusações da responsabilidade deste tenebroso ato provam a completa desumanização do conflito.

Uma chacina de inocentes vitimas de um conflito que há muito transbordou as fronteiras do território ucraniano. Convém ter em consideração que esta Guerra Civil viola de forma  sistemática a Convenção de Genebra e a própria Declaração dos Direitos Humanos das Nações Unidas.

A ação da ONU através do seu Conselho de Segurança deverá ser imperativa, de forma a evitar a internacionalização do conflito.  No entanto, qualquer decisão com vista à pacificação poderá ser vetada pelos representantes da Rússia e da China, sendo que esta aliança pode inviabilizar qualquer cenário a ser proposto por um dos membros com assento no Conselho de Segurança.

As constantes ameaças do Presidente Putin devem ser vistas como uma forma silenciosa de ocupar posições estratégicas no continente europeu e no reforço da hegemonia politico-militar no leste europeu e na Ásia Central.  A ingerência russa em territórios problemáticos como a Ossétia (Geórgia) e a Crimeia (Ucrânia) é uma forma de ocupação encapuzada, assumindo possições geo-estratégicas no Caucáso e no Mar Negro. No entanto, a Comunidade Internacional compactuou(a) com uma situação semelhante, a Chéchenia, sendo caracterizado como um “assunto doméstico”.

As acusações entre Estados Unidos e a Federação Russa sobem de tom, atingindo na escala diplomática o nível grave, parecendo inevitável o regresso do telefone vermelho entre Washington e Moscovo, como nos tempos da Guerra Fria.

Quanto à Europa encontra-se atada na vertente diplomática/económica. Na vertente diplomática, face aos últimos anos terem tido uma postura de abertura e tolerância perante as posições do Kremilin. Quanto ao aspeto económico, o gás russo é usado como veículo diplomático, mas atualmente serve como arma de remesso nas relações entre a Europa e a Rússia, o arrefecimento diplomático.

A Rússia assume-se como um polvo, utilizando os seus tentáculos como forma de propagação do medo, força e opressão. O ressurgimento da Rússia é encarado como o acordar de algo que havia adormecido, ou na verdade que nunca esteve adormecido, apenas em compasso de espera.