Devaneios

AS DORES DE PERCURSO

Dói-me o percurso.
O meu, o dito meu
Trilho que construí.
São pedras e rochas,
São memórias e histórias.

Dói-me, arde-me, corrói-me.

As dores não saram,
Não curam,
Não se esquecem.
São efeitos da geologia,
São refeitos pela biologia.

Por mais que a transformação ocorra,
Por mais que a água sustenha,
Por mais que a pedra purifique.

Dói-me, arde-me, corrói-me.

É este o meu destino.