Devaneios

O INCÊNDIO QUE NÃO TARDA EM DEFLAGRAR

No fogo da alma,

Cai a labareda

Que sintetiza

O esquecimento,

O desguarnecimento,

O desfasamento

De quem somos

Em relação à Natureza.

 

O fio despedaçou-se

Numa série de cinzas.

Foi calcinado,

Desafinado,

Mal calculado.

Perdeu-se o sentido

Que dava rumo e direção

À apurada existência.

 

Quem somos

Sem a palete primária

Da nossa Natureza?

 

Uns gnomos sem barrete,

E felicidade?

Barrete!