Devaneios

As Coisas que mais gosto na Vida XI

A felicidade era perfeitamente possível até se terem popularizado os Yorkshire terriers – esse crime contra a Humanidade! De todas as raças de cãezinhos que cabem no microondas, estes são para mim os mais desconcertantes. Nem sei porquê ao certo, mas sempre os achei particularmente aptos para serem inúteis de todo…  Por exemplo, um Pinscher deve ter noção da sua incompetência fenotípica; enquanto que os nossos Yorkshires deixam crescer aqueles cabelinhos em frente aos olhos, num gesto de negação, que lhes impede de tomarem consciência do transtorno emocional que causam às pessoas à sua volta!

 

No meio tudo isto, talvez o que mais me espanta é ter haviado alguém que efectivamente se deu ao trabalho de apurar esta estirpe sub-bacteriana! Espero que os leitores (se os houver) estejam inteirados de que as raças não surgem assim num estalar de dedos, apesar de tudo são precisos muitos anos de selecção artificial para isolar o conjunto de características que define uma marca canina. E, portanto, existiu um homem que decidiu dedicar parte substancial da sua vida para nos presentear com este magnífico espécime de cão rateiro! É Hitler, Stalin (ou ao contrário se preferirem), e depois este gajo! Contado não se acredita…

 

Não deixa de botar alguma piada o facto de se tratar de um cão de caça… Que caçador o levaria consigo para o tiroteio?! Concerteza um sem bigode! Seria a chacota lá do couto! Todo larilolé com a camisa a condizer com os cartuxos.

 

Última queixa: esta é das raças que mais se presta ao uso de acessórios gravíssimos, nomeadamente casaquinhos impermeáveis e laçarotes encarnados.

 

Chegámos, pois, à conclusão apaixonante de mais uma edição desta rúbrica que rigorosamente ninguém lê – se tiver em casa um Yorkshire terrier (ou outros semelhantes pequenos e desnecessários aspirantes a cães), pede-se encarecidamente que o ensine a aliviar-se na areia, qual gato, de modo a poupar-lhe a humilhação de o levar à rua e a não arruinar a hormonial social, que já é o que é. Atenciosamente.