Devaneios

FAÇAM-SE PREVISÕES

Façam-se previsões

Sobre o ano recém-chegado.

Sejam constelações cruzadas

Ou satélites caminheiros.

 

No meio de tanta celestialidade,

Eis a verdade.

A tal que descortina com opacidade

O futuro na sua eventualidade.

 

Acredito na profecia astral,

Num aparente embuste

Que se sustenta num trémulo fuste.

Associação correta e leitura magistral

 

Sobre quem sou, quem fui,

Quem pretendo ser,

Seja em ano chegado

Ou no que se remete ao ambicionado.

 

Façam-se previsões,

Por mais incertas e variáveis.

Esquematizem-se rumos

Que deixem sonhar, mesmo que não palpáveis.

 

Porque a verdade quer o sonho,

Mesmo que o negue em caso de segurança.

Façam-se previsões, derivando nas estrelas.

Eis a viagem na tão nossa original herança.