Devaneios

NÉVOA

«Amor é chama que mata,

Dizem todos com razão,

É mal do coração

E com ele se endoidece.

O amor é um sorriso

Sorriso que desfalece.» 

Mário de Sá-Carneiro

 

Nessa manhã

Tão cinzenta e incisiva

Até a chuva chorou a tua partida.

 

Alheia à tua ausência,

Senti a brisa do vento no rosto

Que trouxe o teu perfume

E a vã esperança da tua companhia.

 

Desapareço por entre a névoa,

Nesta ânsia e desassossego.

Faço-me pó,

Ergo-me substância em aconchego.