Devaneios

DIPLOPIA

Observo a fonte ir-se tão rapidamente,
Por entre as colinas que se encruzilham
Num horizonte distante.

Especulo quem, em suas terras, observará
Este sol nascer ao longe
E quem o vê já nascido.

E, no entanto, permaneço sem daqui sair,
Acompanhando esse sol longínquo.
E deixo-me impressionar pela alegria
De ver voar os pássaros que bebem da fonte
Que a mim já não saciaria,
Não fossem dois os sóis que vejo
Com a duplicidade destes olhos meus
Que não alcanço conjugar.
(Deixava-me o sol e um dos olhos o seguia,
Outro esperava impotente,
Observando os céus já negros,
Enquanto ecoava no passar de ambos
A alma espelhada.)

 

(nota: Diplopia é uma patologia que se caracteriza pela perceção de duas imagens a partir de um objeto; Resultado de lesões nos músculos oculares)