Crónica

SOU PERSISTENTE OU IDIOTA?

Já me chamaram de chato, orgulhoso e idiota. Eu vejo-me como uma pessoa persistente. Além disso, não posso levar a peito o que uma feirante, desesperada por vender, me possa apelidar por não lhe querer comprar pensos. Se comprasse uma caixa de cada vez que me pedisse, juntava-me a ela para vender e arranjava um slogan que chamasse a população, como “beatas saídas da missa das 11h”, e lucrava com umas coscuvilhices.

“Nos negócios e na sorte não há ressentimentos, não é verdade!?” É o que costuma dizer o senhor que coleta o investimento da sociedade do Euromilhões lá na terra!

Frequento a feira semanal há já algum tempo e ou é vê-los apregoar navalhas sem fio “para proteção, unicamente, porque a ASAE obriga-nos”, ou aqueles relógios manhosos dentro de uma bacia cheia de água para provar que são à prova de tudo. Como dizem, “não se preocupe, os desligados é porque não têm pilha!”.

Se começo na roupa interior chego à mobília cem por cento montada à mão – com aquele selo de fábrica manhosa localizada lá para “cascos de rolha” – em menos de cinco minutos. Não estão à espera que um cliente lhes dê tanto trabalho. Mas eu não sou mesquinho, ligo aos pormenores. Se não ligasse, quem lia as etiquetas? Sou o único, tendo em conta que uma parte é analfabeta e a outra são mães com filhos de colo ou crianças a fugir da roupa com folhos e acolchoados, que é tudo o que se vende.

Não fosse eu, andavam as pessoas a comer pão com farinha, provava-se fruta pisada e os tapetes de boas-vindas que se compram para pôr à porta traziam o presente incluído. Conjuntos de faqueiros incompletos, copos rachados e braceletes de relógio usadas vendidas por novas. Sou, literalmente, a DECO PROTESTE só que não solicitada e mal encarada por quem já me reconhece.

Se não usasse da persistência, comprava gato por lebre, como se costuma dizer. Chego ao fim da compra com o vendedor estafado. Venço-o pelo cansaço, quanto mais não seja para o obrigar a ir buscar o que quero ao fundo da carrinha. Recruta a esposa para tomar conta dos outros clientes e, no caso de levarem o filho, usam-no para manequim porque os tamanhos nunca são certos.

Porque é que a minha mãe não faz compras comigo? Até ela é mais descomplicada! Diz que não tem paciência para mim. Tendo em conta a pouca escolha, não sabe porque sou tão indeciso. Eu cá só acho que tem vergonha. Ela nunca gosta do que eu compro. Na verdade, temos uma certa incompatibilidade. É usual vê-la numa ponta da tenda e eu na outra sempre a trocar bitaites, porque não escolho nada que seja quente ou confortável, ou porque como “tem demasiadas coisinhas na gola não vou usar”. Já nem olho para a etiqueta, tanto lhe vale usar algodão como um saco de batatas com um furo para a cabeça e outros dois para os braços. Se compro, é porque só sei gastar dinheiro. Se não compro é porque sou chato e insensível à mudança.

No final é tudo uma questão de persistência ou será idiotice?