Crónica Opinião

Relato de um dia cinzento

É dia 24 de fevereiro de 2021. Conduzo durante a manhã enquanto ouço a rádio e parece uma manhã normal, mas logo percebo que este será um dia cinzento e triste para a história mundial.
Por Inês Ribeiro

São 9h da manhã. Os locutores de uma rádio portuguesa anunciam que a Rússia invadiu a Ucrânia durante a madrugada e logo de seguida transmitem a música “Russians” do vocalista “Sting”, uma canção que volta a fazer sentido 37 anos depois de ter sido lançada.

Os meus olhos enchem-se de lágrimas. Estou triste por todos aqueles que se veem obrigados a fugir das suas casas, do seu país, em busca da sobrevivência. Estou triste pelo mundo e porque percebo que os erros do passado, pelos visto, não serviram como aprendizagens para o presente.

Abraço, mentalmente, todos aqueles que vejo a chorar em desespero. A vida não é isto, não pode ser isto.

Como é que em pleno século XXI estamos a assistir a uma guerra desta dimensão? Esta é a pergunta que o mundo coloca profusamente neste momento, mas colocamos muitas outras:

· Até onde vai a ganância desmedida?

· Quais serão as consequências mundiais desta guerra?

· Como podemos impedir que isto tome grandes dimensões?

Instabilidade, medo, incerteza. Todos estes e muitos mais sentimentos estampados no rosto do mundo, mas principalmente no rosto do povo ucraniano, que apesar de tudo é forte e tem um amor enorme pela pátria.

Pensei o dia todo neles, e sinto-me culpada por ser tão impotente nesta situação. Como é que conseguimos viver normalmente sabendo que perto de nós há pessoas desesperadas e a perderem a vida num conflito armado? Sinto que nada faz sentido, pensei que a evolução iria fazer o mundo avançar, em vez de recuar.

Apesar de tudo, mantenho a esperança na humanidade e na paz, pois todos “compartilhamos a mesma biologia independente da ideologia”… espero que o humanismo supere a ganância cega!

Artigo da autoria de Inês Ribeiro