Crítica Opinião

SOUR: Mais do que um álbum, um investimento nos detalhes

Com o final do ano aí à porta, o Spotify não podia deixar de realizar o tão aguardado “Spotify Wrapped”, no qual são revelados a cada utilizador os dados relativos às suas músicas, álbuns e artistas mais ouvidos do ano. Neste ano foram também reveladas estas estatísticas a nível mundial, não surpreendendo ninguém o facto do álbum SOUR liderar o top de álbuns mais ouvidos.
Por Inês Cardoso

No início de 2021, poucos eram aqueles que conheciam Olivia Rodrigo enquanto cantora, até que o lançamento do seu primeiro álbum “SOUR” se tornou num verdadeiro fenómeno musical, colocando Olivia entre as artistas mais bem-sucedidas do ano.

Mas afinal, o que tem este álbum de especial para mesmo atualmente, mais de meio ano após o seu lançamento, ainda permanecer nos tops de álbuns e músicas mais ouvidos mensalmente sendo, inclusivamente, o álbum mais ouvido deste ano?

Muitos apontariam para o conteúdo musical facilmente relacionável com o público adolescente, dado que Olivia, ela própria uma adolescente, escreve sobre os sentimentos mais comuns nesta faixa etária, como a solidão, baixa autoestima e, claro, os sentimentos de alguém apaixonado ou que teve o seu coração partido. Sentimentos estes que combinam perfeitamente com o título do álbum, e com o género pop-punk dele.

Em várias das faixas musicais, Olivia aproveita a agressividade das guitarras e da bateria para gritar ao microfone sobre todas as suas insatisfações. Por exemplo em brutal”, onde mostra o seu desagrado pela adolescência não ser tão doce como dito por muitos – “They say these are the golden years / But I wish I could disappear” -, ou em “good 4 u” onde mostra a sua raiva por uma situação de pós relacionamento.

Além disto, a dor de Olívia também é notória noutras das músicas com um ritmo mais calmo, como em 1 step forward, 3 steps back, onde a cantora reflete sobre as ações do ex-namorado que despertam inseguranças em si mesma, ou em “favorite crime” e “enough for you” onde as partes mais azedas da sua antiga relação são tema.

E claro, não é fácil esquecer as músicas onde a cantora mostra a sua mistura de emoções ao mesmo tempo, tendo transições de partes mais calmas e amarguradas, para outras mais violentas, onde Olivia chega às notas mais agudas. A música “Drivers License” – uma das músicas mais ouvidas em todo o spotify – é um perfeito exemplo disto, e é sobre sentimentos de nostalgia, e a paixão que ainda permanece após o término de uma relação – “And all my friends are tired/ of hearing how much I miss you”.

Contudo, grande parte do êxito de SOUR deve-se também a outros fatores que é importante abordar.

A ordem das músicas no álbum não foi escolhida ao acaso, sendo um exemplo de storytelling, uma vez que a primeira e a última música estão conectadas. Isto dá aos ouvintes a ideia de que estão a ouvir uma história, com início e fim, permitindo que estes se sintam mais ligados com a vocalista.

Depois, SOUR também teve estratégias publicitárias muito bem pensadas para o seu lançamento e divulgação.  A título de exemplo temos o facto de ter sido feita uma parceria entre o álbum e uma marca de pastilhas elásticas muito azedas (sour, em inglês) muito consumida por adolescentes americanos, ou até a realização de uma lavagem de carros grátis onde era promovida a reprodução das músicas e produtos de Olivia, o que é uma ação muito inteligente, visto que uma das músicas do álbum se chama “Drivers License”.

Por último, é importante mencionar também a consistente identidade visual da cantora. Em todo o seu merchandising, atuações ao vivo, e videoclips, existem elementos com referências a letras das suas músicas, para além da permanente presença da cor roxa. Uma cor jovial e pouco convencional, que rapidamente se tornou a imagem de marca do álbum. A identidade visual de Olivia é tão forte que se tornaram virais na internet fotos de fãs que recriaram as fotos promocionais de SOUR.

Agora, Olivia fez 18 anos e concluiu o ensino secundário, o que leva a crer que o próximo álbum vai revelar uma nova era da artista, onde ela já não se vai apresentar como uma adolescente, o que deixa os fãs bastante animados, já que esperam por um álbum no qual, para além de boas músicas, possa existir um investimento tão alto em pequenos pormenores e detalhes, como os que tornaram SOUR num álbum de êxito.

Artigo da autoria de Inês Cardoso