Artigo de Opinião Opinião

Quem não lê

“Quem não lê, não quer saber; quem não quer saber, quer errar”, já dizia o Padre António Vieira. Mas teria razão? É sobre isso que irei refletir (ou melhor, escrever).
Por Pedro André Pinheiro

“Quem não lê, não quer saber; quem não quer saber, quer errar”. Realmente, é verdade: normalmente só lemos aquilo que queremos saber. Por exemplo, se estou a ler um jornal e aparece um artigo “como emagrecer: 5 passos para estar bem este verão” e eu não quiser emagrecer, porque já estou magro ou estou bem como estou, para que é que irei ler esse artigo? Quero lá saber. Ainda para mais nesta era da “informação”, cheia de pressa e títulos para o clickbait… Porém, inteligente (como penso que era), Padre António Vieira não se referia a estas banalidades.

Este “lê” e “saber” referem-se a conhecimento útil (com “útil” refiro-me a útil para a sociedade e humanidade e não útil para pessoas superficiais que só querem saber do que os outros pensam). Adiante. Realmente, se os políticos não querem errar nas políticas que tomam, talvez devessem ler mais artigos de História e não histórias. Se se tomassem as políticas certas, em 2008 o mundo não teria sido arrasado económica, financeira e socialmente, repetindo um erro passado, com o qual devíamos ter aprendido – bem, sejamos justos: eu não, nem a minha geração, a culpa é da incompetência das gerações anteriores que, crise após crise e guerra após guerra, não aprenderam. Bem, justiça outra vez, provavelmente quando a minha geração estiver no poder cometerá erros semelhantes. Somos todos humanos; ou então não, veremos.

Agora, falemos globalmente, pois estes erros são cometidos por quem tem poder – e que curiosamente o tem porque foi democraticamente eleito (afinal, a culpa é de todos, eleitores e eleitos, e não só de eleitos).

Hoje, somos bombardeados com artigos de saúde e bem-estar (apoiados na ciência) que nos ensinam sobre os cuidados a ter à mesa. Porém, apesar de tanto conhecimento à distância de um clique, as más práticas alimentares (talvez porque sabe melhor um bife carregado de gordura do que um saudável arroz de frango – com pouca gordura e sal) continuam a ser praticadas e há cada vez mais “jovens” (porque quem é velho cometeu os erros durante grande parte da vida sem o acesso à informação que hoje há) obesos, diabéticos ou a morrer de enfarte cardíaco, situações que podem ser genéticas, mas que também estão intimamente ligadas à alimentação.

Com este último exemplo, encerro esta reflexão (… texto). E tiro o chapéu a Padre António Vieira: “quem não lê, não quer saber; quem não quer saber, quer errar”.

Artigo da autoria de Pedro André Pinheiro