Artigo de Opinião Crítica Opinião

“Uma vida no Nosso Planeta” – Somos a solução e o problema

Documentário da Netflix traz uma visão critica e faz-nos questionar o nosso comportamento com o planeta.

A série de uma temporada lançada em 2019 na Netflix, “Uma vida no Nosso Planeta”, é a narrativa envolvente que conta com David Attenborough, aos seus 93 anos, narrando uma viagem por mais de 50 países mostrando a diversidade dos diversos habitats existentes no mundo. A produção do documentário é impecável e, nos oito episódios, Bambi Blitz – o diretor- mostra o impacto que a natureza tem em nossas vidas.

“Uma vida no Nosso Planeta” faz-nos questionar sobre tudo à nossa volta, mas principalmente sobre o aquecimento global: o processo hodierno do aumento da temperatura média dos oceanos e atmosfera na Terra causado por diversas emissões de gases que aumentam o efeito estufa. Ao longo do documentário há a exposição de diversas atividades humanas que ocasionam a mesma, de forma a “abrir” os nossos olhos a essa crescente: o desmatamento, a exploração em excesso e a caça ilegal. Mas nomeadamente o primeiro.

Com imagens belas e chocantes que falam por si só, mostra desde o início da cadeia alimentar até nós, seres humanos. Nosso Planeta busca mostrar como tudo é um ciclo constante.

O documentário segue o estilo National Geographic, o qual vem em defesa da natureza, sendo uma critica ao estilo de vida que temos, sobretudo ao crescimento demográfico desenfreado. David Attenborough diz: “Todos os nossos problemas ambientais se tornam mais fáceis de resolver com menos gente e mais difíceis e, em última instância, impossíveis de resolver com cada vez mais pessoas”; ou seja, moramos em um planeta antropicamente cheio e, infelizmente, o meio ambiente sofre com isso, causando o empobrecimento do mesmo.

O planeta depende de nós: somos o problema, mas também seremos a solução. Cabe a nós agir em prol do Nosso Planeta.

Para os interessados o documentário esta disponível na plataforma de streaming Netflix e também no canal da mesma no Youtube.

 

Um artigo da autoria de Carolina Okumura