Artigo de Opinião Crítica Opinião

Este ano só precisas de uma resolução para o teu ano novo

Criticam-se os políticos, mas os maiores peritos em fazer falsas promessas somos nós. Até criamos um dia em que nos reunimos para o fazer. Chama-se “Passagem de Ano”.

Contamos todos juntos, de dez até um; alimentamos toda a indústria das passas a enfardar doze delas em trinta segundos (das quais, no fundo, nem gostamos mas que a avó nos obriga a comer, nem que sejam empurradas da zona das amígdalas pelo espumante); definimos mil e uma resoluções para o ano seguinte com a perfeita sabedoria de que, a 10 de janeiro, já não as estamos a cumprir; e seguimos felizes para casa sabendo que o ano é diferente mas, no fundo, a merda é a mesma. Criticam-se os políticos, mas os maiores peritos em fazer falsas promessas somos nós. Até criamos um dia em que nos reunimos para o fazer. Chama-se “Passagem de Ano”.

Eu aconselho apenas um objetivo para 2021: ler “Hábitos Atómicos”, de James Clear.

Desta maneira, começamos logo a seguir as dicas do livro: não definir objetivos demasiado ambiciosos. Sobrevalorizamos o que conseguimos fazer num dia e subvalorizamos o que podemos fazer num ano.

A principal mensagem do livro é esta: não há nada melhor para progredir, seja em que área de trabalho ou fase da vida for, do que melhorar 1% todos os dias. Não é preciso ler quinhentas páginas, basta começar a primeira frase; não é necessário experimentar todas as máquinas do ginásio, fazer uma repetição já é um bom começo. O objetivo não deve ser mudar radicalmente de vida após cinquenta e quatro resoluções fantásticas de ano novo mas somar centenas de pequenos atos, todos os dias. Não é por comer uma salada que nos tornamos atletas olímpicos nem por comer um hambúrguer que desenvolvemos obesidade. O que importa é o que fazemos continuamente.

A literatura de “Autoajuda” não é venenosa. Não é sequer inferior a outros géneros. Apenas foi canibalizada por escritores de muitos floreados e poucas ações. “Hábitos Atómicos” é, por isso, uma lufada de ar fresco. É um guia prático sobre como desenvolver hábitos, e mais do que isso: como mantê-los e acabar com os errados. São pequenas dicas que permitem mudanças estruturais.

Concentra-te em agir e não fiques apenas pelos planos. Rodeia-te das pessoas certas. Afasta as tentações para não teres que lhes resistir. São estes alguns dos ensinamentos deste manual de como ser melhor. É, simultaneamente, uma excelente análise à forma como a nossa sociedade, hoje em dia, pensa e age. Há até capítulos bónus sobre como aplicar as ideias expostas na educação dos filhos ou nos negócios.

Podes ter resoluções como ser mais calmo, deixar de fumar, usar menos o telemóvel ou aprender uma língua. Se a única resolução de ano novo for ler este livro, vais estar um passo mais perto de conseguir fazer isso tudo.