Crónica Opinião

O que o Porto tem de bom

Numa altura em que podemos finalmente voltar a sair, embora com algumas restrições, é sempre bom lembrarmo-nos dos sítios por onde passamos, mas também recordar o que temos aqui bem perto, neste caso a cidade do Porto. Apesar de sermos considerados pequenos (em tamanho e em dimensão geográfica), somos muito maiores do que aquilo que aparentamos ser. Uma cidade rica em cultura, gastronomia, música, animação, etc., o Porto está sempre em movimento e com muita magia à mistura. É uma cidade forte, histórica e invicta.

A cidade é muito bonita e há muito que conhecer por estes lados. Aliás, todo Portugal é recheado de sítios maravilhosos para conhecer e para aproveitar o recheio de culturas que o país nos tem para oferecer e neste caso vale a pena realçar o que mais de mágico tem o Porto, uma cidade que em tempos atingiu o estatuto de Património Mundial. 

Temos ruas que são tão emblemáticas e conhecidas pelos portugueses e são imperdíveis para quem venha visitar a cidade. A Rua das Flores, por exemplo, o que tem de comprimento tem de artística e criativa. Enquanto andamos pela mesma, podemos observar alguns artistas de rua a demonstrar o seu talento e a sua paixão pela música, assim como é comum de se ver algumas tunas académicas que cantam e encantam as ruas, com as suas performances criativas e divertidas. Com sorte, ainda se é capaz de receber uma serenata pela mesma. Em alguns cantos encontram-se frases escritas e típicas do Porto como, por exemplo: “Olha estes dois a picar o ponto” e “Ó morcom, vai-me à loja”. Frases humorísticas, mas que representam a essência divertida do povo portuense. 

De seguida, a Rua de Santa Catarina é aproximadamente um quilómetro de lojas, restauração, sítios de souvenirs e também muita música. Neste lugar vemos um bocadinho de tudo. Para além das lojas que existem no famoso shopping Via Catarina, existem várias lojas no lado de fora e também cantinhos onde se pode parar para beber um café e/ou tomar uma boa refeição. Um dos cafés mais famosos do país encontra-se justamente nessa rua, o Majestic. Um espaço totalmente deslumbrante e um belo sítio para tirar umas fotografias e guardar umas belas recordações. Penso mesmo que o único aspeto negativo que se aponta a este café lindíssimo é que os seus preços não são assim tão bonitos. Pode-se dizer que são realmente virados para turistas e que se pretende que os portugueses parem lá por pouco tempo. No entanto, nem que seja para um mísero café, vale a pena ver o quão bonito aquilo é por dentro. 

A rua de Cedofeita, considerada a mais antiga da cidade, é um sítio onde quem vem visitar tem quase de obrigatoriamente passar por lá. Tem bares, comida internacional e possui lojas para quem gosta de comprar coisas diferentes, por assim dizer. A Ribeira é também um dos lugares mais bonitos do Porto e dos mais famosos, obviamente, sempre cheia de gente (pré-pandemia) e sempre muito alegre também. É cheia de artistas de rua a demonstrar todo o tipo de artes, desde o canto, até à magia, encarar uma personagem, etc., já para não falar dos vários restaurantes com comida típica portuguesa ao longo da rua. Na avenida dos Aliados encontra-se a rua de Sá da Bandeira que engloba um dos mercados mais importantes, que é justamente o mercado do Bolhão. Embora este se encontre fechado para obras desde 2018, quando reabrir promete voltar a ser um dos locais mais visitados. 

A gastronomia do Porto é outro ponto que vale muito a pena experimentar. Em qualquer restaurante se encontra os típicos pratos portugueses, como o Cabrito Assado, o Caldo Verde e o Bacalhau à Gomes de Sá. Mas mais tradicional ainda e exclusivo da nossa cidade encontram-se a Francesinha e as famosas Tripas à moda do Porto. São dois pratos que realmente bem feitos são de comer e de chorar por mais. Aqui temos também o famoso vinho do Porto que já é conhecido há séculos e as visitas guiadas às caves de vinho são imperdíveis. Provar o vinho do Porto é, ao mesmo tempo, saborear a história da cidade – é, no fundo, uma sensação incrível.

Podia continuar aqui a descrever a cidade da Invicta e a comentar o que tem de bom e mais locais incríveis (embora como todos os lados do mundo, também possui os seus defeitos), mas seria um texto demasiado longo e numa altura em que viajar não anda fácil para ninguém, especialmente com a história toda da pandemia mundial, sonhar com os sítios ou relembrar-nos de lugares onde já estivemos com toda a nostalgia é grande parte do que nos resta. Mais uma vez, embora algumas restrições já tenham sido levantadas, existe sempre aquele receio normal de simplesmente pegar e partir para outro lugar sem qualquer preocupação tal como fazíamos antigamente (este antigamente não é assim tão antigo, mas a vida antes da COVID-19 parece quase uma realidade alternativa).