Crónica Opinião

A “DEPRESSÃO” DE HOLLYWOOD

Por vezes encontro-me na internet a saber mais sobre a vida dos famosos. Já fui uma pessoa muito mais interessada naquilo que eram as suas vidas do que sou agora, no entanto não deixo de ter curiosidade em ver. Foi então que, quando me encontrava no Twitter, vi que o nome de Pete Davidson estava entre os mais comentados. Fui pesquisar e a razão de tal “ falatório “ era uma publicação de Instagram. Pete Davidson publicou que já não sentia vontade de estar aqui no mundo e isto pôs-me a pensar naquilo que é a onda de depressão que assombra Hollywood e não parece ir embora nunca.

Olhamos para as estrelas de Hollywood e só pensamos no dinheiro que têm, na quantidade de pessoas que os adoram, na fama e um tanto de outras coisas que compram com o dinheiro ou que obtêm devido ao mero estatuto que possuem. Na verdade, no fundo nada disto significa felicidade instantânea e duradoura, assim como o facto de “ terem tudo “ não os iliba daquilo que é a depressão. Já perdemos grandes estrelas que sentiram que não tinham mais escolha, a não ser tirar a sua própria vida e que chocaram o mundo. Sinto a impressão de que as pessoas de fora conseguem ser muito insensíveis em relação a este assunto de depressão dos famosos, pois não conseguem passar além daquilo que é ter tanto dinheiro, fama e sucesso.

Assumo que já fui uma dessas pessoas que acreditava que tudo o que incluía dinheiro e garantisse sucesso era uma forma de sermos felizes e tudo o resto era mero acréscimo. Acreditava que o drama existente entre celebridades era puro exagero e uma grande forma de chamar à atenção. Entretanto cresci e aprendi mais algumas coisas sobre a saúde mental e percebi que esta questão de “ter tudo” vai muito além daquilo que é material e superficial. Aprendi também que a depressão é algo que vem essencialmente de dentro e não de fora e que é algo que afeta mesmo qualquer pessoa, tenhamos ou não motivo aparente para tal. Assim como nós, estas celebridades sentem-se encurraladas e a isso junta-se uma grande pressão de todas as pessoas que observam e criticam todos os seus passos.

No seguimento da minha pesquisa, só conseguia ver comentários negativos e em como Pete Davidson é um comediante que fez piadas com algo que não devia, entre outras situações que as pessoas não apreciaram. Se até concordo que Pete Davidson chegou a ir longe demais em algumas piadas? Sim, mas tudo o que consegui ver foi pessoas a desvalorizarem quase por completo o seu estado de saúde mental tendo em conta o seu sentido humorístico, coisa com que não consigo concordar de todo. Sinceramente, olho para isto com um certo humor, pois estão claramente a desviar-se do assunto e a ignorar o verdadeiro problema.

Imaginando se fosse alguém “menos conhecido” ou alguém com quem as pessoas simpatizassem mais de uma forma geral, não deixo de pensar em como as reações iriam ser totalmente diferentes. É importante não esquecer que, apesar de tudo, se trata de uma pessoa com sentimentos tal como nós e que depois, se toma certas medidas drásticas, ficamos muito surpreendidos e cheios de pena, por assim dizer. Claro que, por vezes, certas coisas não conseguimos controlar, mas nada justifica a crueldade alheia.

Basicamente, o que quero dizer com tudo isto, é que devemos ser mais sensíveis com as pessoas. O caso de celebridades pareceu-me relevante, pois aparentam ter vidas muito felizes, enquanto acaba por ser totalmente o contrário e são diariamente criticados e observados por meros desconhecidos. Por vezes, com os casos que acontecem a celebridades, acabamos por refletir sobre a nossa vida quotidiana e as reações a certas situações acabam por dizer muito sobre aquilo que somos. Não tento ser alguém que diz o que se deve fazer, apenas pretendo que reflitam naquilo que é a nossa compaixão com os outros, tanto aqueles que nos são queridos, como aqueles que à partida, não nos dizem absolutamente nada.

Artigo de Sandra Seidi. Revisto por Adriana Peixoto.