Opinião

ENTREVISTA A JONNY ABBEY

Ao longo dos três dias em que decorreu o Indie Music Fest, o Jornal Universitário do Porto esteve à conversa com algumas das bandas que passaram pelo Bosque do Choupal.

É a tua primeira vez no Indie Music Fest?

A minha primeira vez no Indie foi no ano passado a ver Granada que é uma banda muito amiga e por acaso gravei o meu disco no estúdio deles, no Porto. Foi um concerto estupidamente incrível, tinham umas cento e cinquenta pessoas à frente deles a fazer mosh e crowdsurf e foi incrível.

 

Quais as tuass perspectivas como festivaleiro e como banda neste festival?

Gostava de ter tido um bocadinho de mais tempo livre para usufruir já que tinha o passe para os três dias, mas também andei no Festival F e andei em concertos e realmente a minha experiência vai ser muito curtinha, vai ser só hoje. Mas hoje tenciono aproveitar isto ao máximo, ficar aqui até ao fim e ver o máximo de bandas que conseguir. Quero ver Paraguaii, quero ver Stone Dead… Stone Dead já estive a ver o soundcheck e já fiquei com o bichinho atrás da orelha. Como artista, realmente estou com umas expectativas bastantes altas porque toda a gente me está a dizer que os concertos têm sido incríveis, o pessoal está super entusiasmado e nós vimos com vontade de fazer festa e dar um bom concerto e temos trabalhado para isso. Temos dado alguns concertos e sentimos que a cena ao vivo está segura, cheios de vontade de mostrar as nossas canções ao pessoal do Indie, aos que conhecem, aos que não conhecem, então pronto vamos divertir-nos com toda a gente que esteja aí a ver!

 

Quais as tuas expectativas para o concerto de hoje?

Sinceramente esperamos que o pessoal não fique indiferente às canções do nosso disco e ainda para mais este concerto foi desenhado especialmente aqui para o Indie. O nosso concerto vai ser de 40 minutos e quisemos concentrar aquilo que temos de melhor nesses 40 minutos e esperamos que o pessoal dance, se diverta e passe um bom tempo.

 

E as expectativas em relação ao festival?

Sinto que o Indie desde o primeiro ano tem sido um sucesso, acima de tudo pela boa escolha musical, é um espaço incrível, as pessoas podem estar aqui à tarde num dia super quente e há sombra em todo o lado, é super relaxante estar aqui e depois são bandas portuguesas, bandas portuguesas alternativas e alternativa interessante, não é alternativa simplesmente por ser alternativo, são bandas que realmente são muito boas naquilo que fazem e acaba por marcar a diferença com estes critérios.

 

Quais as bandas que mais anseias ver nesta edição?

Gostava de ter visto Lazy Faithful, são quase meus irmãos! Fui ao concerto de apresentação do álbum nos Maus Hábitos, fui roadie nesse concerto e foi grande concerto e acredito que este concerto, depois de tantos concertos, com tanta estrada em cima e ainda aqueles concertos que fizeram em Espanha deve ter sido incrível.

 

A escolher uma música tua como banda sonora do Indie Music Fest, qual seria?

Tenho uma música que se chama «White» e se tirarmos a parte da drogalhice, é uma música de uma pessoa estar no momento, esquecer-se de tudo o que existe à volta, simplesmente disfrutar ao máximo e viajar. Não é preciso droga, é só preciso só boa música.

 

Fotografia: Mariana Silva

Edição: Joana de Sousa