Cultura Educação

RÁDIO ONDAS NUTRICIONAIS

Cinco estudantes da Faculdade de Ciências da Nutrição e Alimentação da Universidade do Porto juntaram-se nos estúdios da Rádio Engenharia da FEUP, para fazerem um programa de rádio sobre alimentação.

Nos estúdios de rádio da FEUP, faculdade onde é lecionado provisoriamente o curso de Ciências da Nutrição e Alimentação, as cinco coordenadoras do projeto receberam o JUP para nos falarem sobre este programa que já não é recente. Sofia Dias, de 22 anos, esclarece: “O programa já existia antes de entrarmos na faculdade.” No entanto, auando os alunos responsáveis seguiram a sua vida profissional, o programa parou. Sofia, então membro da Associação de Estudantes, juntou-se a mais quatro colegas para reativar o programa.

As novas responsáveis fizeram algumas alterações e atualizaram o formato do programa.  “Nós juntamo-nos, fizemos uma reformulação do programa e pensamos nas rubricas”, lembra Alison de Jesus, de 20 anos. O resultado dessa reformulação está à vista: “Nutrição num minuto” onde Raquel Patrício, de 20 anos, resume o tema do programa de forma simplificada para que o público perceba os termos mais técnicos; “Notícias Nutricionais” onde Andreia Pinto, também de 20 anos, fala sobre notícias e eventos relacionados com a área; “À conversa com…” onde Alison de Jesus entrevista um convidado e faz um questionário pessoal; “Sabias que…?” ao cargo de Mariana Silva, de 24 anos, onde são deixadas dicas práticas para o dia a dia das pessoas; e da responsabilidade de Daniela Prozorovscaia, de 23 anos, a rubrica “Da verdade ao mito”. Esta é, na opinião das estudantes, a rúbrica mais engraçada porque “vamos à rua abordar as pessoas”, questionando sobre os mitos da área.

No que diz respeito às dificuldades encontradas, as estudantes sublinham a ajuda dos rapazes de Engenharia, o entusiasmo dos professores e a sorte de serem um grupo trabalhador e que se compreende.

Já o público tem recebido bem o “Ondas Nutricionais”: “Temos uma página no facebook

que tem aumentado relativamente bem” afirma Alison, e Sofia acrescenta: “Muitas pessoas abordaram-me e disseram: “Que programa fixe! Como é que eu faço para entrar?””

Questionadas sobre o futuro do programa, as alunas não hesitam em dizer que querem continuar a fazer o programa mesmo depois de saíram da faculdade porque o fazem com gosto e é uma fonte de enriquecimento pessoal.