Educação

Ser monitor na Universidade Júnior 2023: testemunhos

As atividades da Universidade Júnior são um dos grandes marcos do verão na Universidade do Porto. Com o fim de mais uma edição à vista, o JUP conversou com estudantes que partilharam a sua experiência enquanto monitores. Por: Ana Pinto

Os programas da Universidade Júnior (U.Jr.) oferecem uma ampla variedade de experiências para alunos que frequentem o ensino primário, básico ou secundário, aproximando-os do mundo do ensino superior. Na 17ª edição, e novamente no formato pré-pandemia, as suas portas abriram-se a mais de 5.100 crianças e jovens. 

As atividades da U.Jr. iniciaram em julho e prolongaram-se até ao início de setembro. Em julho, decorreram as experiências destinadas aos alunos a partir do 5º ano de escolaridade. No mês de agosto, estenderam-se aos mais novos, com a mini-UJr, um programa para crianças entre os 6 e os 12 anos, com atividades sobretudo ao ar livre. 

Tratando-se do maior programa nacional de iniciação de jovens ao ambiente universitário, e uma referência na colaboração e articulação entre os vários níveis de ensino, a U.Jr. é o resultado do esforço conjunto dos vários elementos da academia. Assim, as atividades são planeadas por professores e posteriormente conduzidas por estudantes universitários, recém-licenciados ou ainda jovens investigadores.  

Inês Calmeiro e João Barbosa, estudantes do Mestrado em Bioengenharia na Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (FEUP), foram monitores da U.Jr. durante o mês de julho, na oficina do Verão em Projeto “À Descoberta das Potencialidades da Biotecnologia e da Engenharia Biológica. À conversa com o JUP, falam-nos da sua experiência. 

Foto cedida por: Inês Calmeiro

“O balanço é extremamente positivo”, comenta Inês. “Como estudante, é um grande desafio passar da cadeira do anfiteatro para a frente de um quadro a explicar coisas complexas de forma descomplexa, a um grupo de jovens altamente heterogéneo.” Por outro lado, João considera desafiante a tarefa de equilibrar diversão e aprendizagem, missão que ambos consideram cumprida. “Levo comigo o apreço pelo ensino e espero voltar a cruzar-me com ele na minha carreira profissional”, partilha o estudante. 

Foram vários os motivos que levaram Inês e João a agarrar esta oportunidade. João aponta como um dos principais “as quatro experiências prévias que tive na Universidade Júnior, que foram semanas marcantes na minha juventude”. Inês destaca ainda o papel da “paixão pelo curso que frequento e o desejo de divulgar as potencialidades da Bioengenharia”. No entanto, o gosto e a curiosidade pelo ensino salientam-se como fatores essenciais e comuns aos dois jovens.  

Os recém-licenciados elogiam a U.Porto como não só como criadora, mas também como anfitriã desta iniciativa. “Ser monitor da U.Jr. é diferente pelo simples facto de estarmos na Universidade do Porto. Das técnicas de laboratório às infraestruturas, as condições proporcionadas são de facto acima da média. Tudo isso é uma motivação para fazer o melhor trabalho possível”, afirma Inês.  

Agora no papel de monitores, os estudantes dão um novo valor à sua própria passagem, enquanto alunos, pelos programas da U.Jr. e de iniciativas semelhantes. “Acredito que estas academias têm um impacto extremamente positivo da vida dos jovens. Não só ficam com uma ideia mais clara da carreira que poderão seguir e do que é o ensino superior, como também criam bonitas amizades pelo caminho”, reflete Inês.

“Acredito que estas academias têm um impacto extremamente positivo da vida dos jovens.”

Os cursos de verão da Universidade Júnior são habitualmente caracterizados por uma grande variedade de temas. Experimenta no Verão (para o 5º e 6º anos) e Oficinas de Verão (para o 7º e 8º anos) são cursos que conjugam um leque de matérias distintas, enquanto as Oficinas Temáticas (também para o 7º e 8º anos) e as atividades de Verão em Projeto (do 9º ao 11º anos) já se restringem a uma ou duas áreas disciplinares.

Existem ainda as modalidades Escola de Línguas e Escolas de Introdução à Investigação. O programa geral pode ser consultado aqui.  

Paralelamente, a mini-UJr regressou este ano para mais uma edição, tendo funcionado durante a pandemia em substituição do programa geral da Universidade Júnior. As suas oficinas tiveram lugar no Instituto Geofísico da Universidade do Porto, no centro cultural World of Wine Porto (WOW), no Instituto Pernambuco – Porto e na Faculdade de Desporto da Universidade do Porto (FADEUP). 

Para mais informações e publicações sobre esta edição ou a próxima, visite o site oficial ou as redes sociais da U.Porto (Facebook e Instagram). 

 

Artigo escrito por: Ana Pinto

Editado por: Inês Miranda