Educação

NOVO CALENDÁRIO ESCOLAR. FÉRIAS DE NATAL SÃO MAIORES

O novo calendário escolar para o próximo ano lectivo já foi anunciado. As alterações nas férias de Natal foram as mais notórias. As associações de pais mostram-se preocupadas com o alargamento do período. Por: Lídia Araújo

O próximo ano lectivo 2019/2020 já tem datas oficiais. Segundo o calendário publicado em Diário da República, as aulas vão ter início entre os dias 10 e 13 de setembro. O primeiro dia de férias de Natal será no dia 18 de dezembro e as aulas só devem retomar no dia 6 de Janeiro de 2020.

O segundo período do ano letivo 19/20 terá início a 6 de janeiro e termina a 27 de março de 2020, com umas miniférias de Carnaval entre 24 e 26 de fevereiro. O terceiro e último período  prolonga-se de 14 de abril para todos os alunos e termina logo dia 4 de Junho para o 9º, 11º e 12º anos, o que dá um total de menos de dois meses. Para o 5º,6º,7º,8º e 10º anos de escolaridade termina a 9 de Junho. Já para o 1º ciclo apenas termina a 19 de Junho.

Segundo o comunicado feito pelo ministério da educação às redacções para explicar estas quase três semanas de férias de Natal , quer-se evitar que as aulas tenham início a uma sexta-feira Resulta em mais um dia útil de férias escolares no inverno.

Associações de pais descontentes

Jorge Ascenção, presidente da Confederação Nacional das Associações de Pais (Confap), explicou ao jornal Público que as associações de pais não foram previamente avisadas sobre esta mudança e destaca ainda não entender o alargamento das férias. O presidente da Confap mostra-se preocupado perante este cenário e com o impacto que terá nas famílias “isto é uma dificuldade acrescida que a escola pública — porque a privada não o vai fazer — traz às famílias. Mais uma vez, aqueles que não podem, que não têm tanta capacidade financeira acabam por sair prejudicados. É contraproducente para uma política de família” explicou ao mesmo jornal.

Já Filinto Lima, líder da Associação Nacional de Diretores de Agrupamentos de Escolas Públicas explicou em declarações ao Público que o alagamento das férias escolares pode ter repercussões na aprendizagem dos alunos. “Este ano, a Páscoa vai ser em Abril, o que implica que o terceiro período seja um período anão, muito pequeno comparado com o primeiro e o segundo”. Segundo Filinto Lima, no somatório final primeiro período terá 68 dias úteis de aulas, o segundo 57 e o terceiro período 35 dias úteis de aulas.

Para evitar assimetrias nos três períodos escolares a Associação Nacional de Diretores de Agrupamentos de Escolas Públicas defende um resigme semelhante ao existente no ensino superior, com dois semestres.

Artigo da autoria de Lídia Araújo