Educação

JORNADAS DA EDUCAÇÃO: “NA NOSSA CULTURA TEMOS MUITO PROBLEMA EM FALHARMOS”

O Europarque, em Santa Maria da Feira, recebeu mais uma edição das Jornadas da Educação, de 11 a 13 de outubro. No âmbito do evento estivemos à conversa com Cristina Tenreiro, vereadora do pelouro da Educação, Desporto e Juventude da Câmara Municipal de Santa Maria da Feira.

A vereadora do pelouro de Educação, Desporto e Juventude, faz um balanço positivo da edição das Jornadas da Educação deste ano. Segundo Cristina Tenreiro, foram atingidos os objetivos propostos, “debater, refletir, discutir sobre a educação no concelho e, acima de tudo, ver e falar sobre as principais questões que afetam a educação no dias de hoje.”

“ O pensamento crítico, o querer ser empreendedor, o querer contribuir e não estar só à espera de receber ordens dos de cima, com responsabilidade. A capacidade de lidar com o erro.  Na nossa cultura temos  muito problema em falharmos e isso muitas vezes inibe a nossa atuação. Mas é importante o errar.”.

Foi com base no biztalk do primeiro dia de jornadas, que a vereadora do pelouro da educação, desporto e juventude referiu a importância de dotar os alunos com competências para o mercado de trabalho. Para a Cristina Tenreiro, é importante ensinar o aluno a aprender a aprender e a lidar com o erro. “ O pensamento crítico, o querer ser empreendedor, o querer contribuir e não estar só à espera de receber ordens dos de cima, com responsabilidade. A capacidade de lidar com o erro.  Na nossa cultura temos  muito problema em falharmos e isso muitas vezes inibe a nossa atuação. Mas é importante o errar.”.

“a escola, regra geral, não está habituada a essa mudança tão rápida. Tem de ser abanada, tem de ser discutida e refletida.”.

A velocidade com que tudo muda é também uma preocupação para Tenreiro. Segundo a vereadora do pelouro da educação, “a escola, regra geral, não está habituada a essa mudança tão rápida. Tem de ser abanada, tem de ser discutida e refletida.”. Sem esquecer a importância do digital, Cristina Tenreiro diz acreditar no papel das escolas para dotar os jovens de competências que permitem “encontrar e selecionar os perigos”.

Para a vereadora, proibir o uso do telemóvel nas escolas não é uma solução. Considera ser uma “ferramenta fundamental de qualquer pessoa”, devendo potenciar-se e explicar as vantagens. Apesar dos contras que admite existirem, acredita que a escola está a inibir algo que não vai acontecer, mas que já está a acontecer.

Questionada sobre a educação no concelho de Santa Maria da Feira, afirma que procuram sempre mais. Acredita que é necessário a “mudança de paradigma”, voltando a escola para o aluno. Para a vereadora, o aluno também tem de construir o seu percurso, com mais autonomia e espírito crítico. Exemplifica com um projeto do Agrupamento de Escolas de Arrifana, “em que o próprio aluno, com atividades e construção de jogos e pesquisa, constrói o seu conhecimento e divulga aos colegas”. Programas como o Erasmus+ são outra forte aposta na educação do concelho, já que permite colocar o aluno em situações com contextos de aprendizagem diferentes.

O programa das Jornadas dividiu-se em três dias com palestras sobre a educação e workshops formativos que permitiram a troca de ideias entre os agentes educativos, assim como a introdução de novas dinâmicas na educação. “Motivar para liderar”, “Segurança Online” e “Crescer do Ler” foram os temas abordados nas diferentes formações. O debate de ideias nestas Jornadas da Educação pretendeu proporcionar a oportunidade de partilhar as melhores práticas educativas, permitindo aos educadores ultrapassar os desafios e obstáculos na área da educação.