Educação Sociedade

ORDEM DOS ENGENHEIROS QUER “INOVAR” E “RENOVAR”

A Ordem dos Engenheiros foi no passado dia 21 de abril, a votos. Os membros da Ordem elegeram os respetivos órgãos nacionais, regionais e distritais para o período entre 2016 e 2019. O JUP entrevistou o presidente eleito do Conselho Diretivo da Região Norte, Joaquim Poças Martins, para perceber o que vai mudar.

“Inovar” e “renovar” é o mote do projeto de Joaquim Poças Martins, presidente do Conselho Diretivo da Região Norte da Ordem dos Engenheiros. O engenheiro da lista RA afirma ser necessário agir de “forma ponderada” no que diz respeito aos aspetos na Ordem que carecem de renovação.

Outro dos objetivos de Joaquim Poças Martins é “envolver muito mais os membros na vida da Ordem”, o que fará com que a abstenção “baixe drasticamente”.

Num universo de mais de 43 mil membros e 6333 votos, a percentagem de abstenção nestas eleições para a direção da Ordem dos Engenheiros rondou os 85%. “Apesar disso, esta afluência foi a maior de sempre, cerca do dobro das eleições anteriores, sendo assim, a votação mais expressiva” de que Joaquim Poças Martins tem conhecimento. A região dos Açores assinalou a maior participação de sempre neste ato eleitoral.

O apoio personalizado no início de carreira e agilização do processo de obtenção do título de engenheiro são algumas medidas que o então eleito presidente da Região Norte da Ordem apoia.

Joaquim Poças Martins afirma que “alguns dos melhores, mais conceituados, mais bem sucedidos membros da Ordem” vão voluntariar-se para aconselharem os jovens e membros que tenham mudado a sua carreira. Neste sentido, a Ordem, em conjunto com as escolas e as empresas, deveria antever as “necessidades dos mercados nos próximos anos”, influenciar os “currículos das escolas de engenharia” e promover o “aparecimento de ações de formação que permitam os seus membros manterem-se atualizados e mudarem de agulha”, explica.

Numa profissão “difícil” e que exige “rigor”, o presidente acredita que a Ordem pode fazer mais do que “facilitar o contacto com empresas para conseguirem estágio profissional”.

Joaquim Poças Martins revela a criação de uma “Semana de Engenharia”, um evento anual, realizado na região norte. A Semana vai reunir os melhores profissionais “a nível nacional e internacional” com o objetivo de trazer as novidades e “tecnologias mais adequadas” e analisar os mercados onde vão “haver oportunidades nos próximos anos”, conta ao JUP. Além da componente cultural, a “iniciativa” terá também “interação entre os engenheiros”, remata.

Carlos Mineiro Aires foi eleito bastonário da Ordem dos Engenheiros, através da Lista A com 71,7% dos votos, superando a adversária Lista B, liderada por Paulo Joaquim Bispo Vargas, que obteve 25,4% dos votos.

A acompanhar Carlos Aires no mandato estão os vice-presidentes Carlos Loureiro e Fernando Santos, o cessante Presidente do Conselho Diretivo da Região Norte. A Assembleia de Representantes passa a ser presidida pelo candidato da Lista A, Fernando Santo, bastonário da Ordem entre 2004 e 2010. Esta Assembleia conta agora com 45 membros da Lista A e 15 da Lista B.

Na Região Norte, a Lista RA, alinhada com a Lista A nacional, superou a Lista RB, sendo Joaquim Poças Martins eleito presidente do Conselho Diretivo de 2016 a 2019. Para a mesma posição, foram eleitos Armando Afonso, na Região Centro, António Laranjo da Silva na Região Sul, Paulo Moniz nos Açores e Pedro Fernandes na Madeira.

A votação para os novos órgãos nacionais, regionais e distritais da Ordem dos Engenheiros para o período entre 2016 e 2019 decorreu entre 11 de abril e 21 de abril de forma eletrónica (mais de 90% dos votos) e por correspondência. No dia 21 de abril foi também possível votar de forma presencial.

Todos os membros efetivos da Ordem com quotas regularizadas puderam votar nestas eleições. Nas Comissões de Especialização, apenas os especialistas puderam exercer este direito.

A tomada de posse oficial dos membros acontece a 9 de maio.