Ciência e Saúde Educação

A ENGENHARIA APRESENTADA COMO MOTOR DO TURISMO NO ISEP

Composto por seis conferências, o ciclo Engenharia em Movimento, promovido pelo Instituto Superior de Engenharia do Porto, apresentou esta quinta-feira, no seu Auditório Magno, o tema “A Engenharia como Motor do Turismo”, que contou com a assistência de aproximadamente 400 pessoas.

O responsável pela organização deste evento e docente no ISEP, Roque Brandão, referiu ao JUP que o principal objetivo desta conferência fora “discutir a importância da engenharia num dos setores que melhor desempenho tem tido nos últimos anos, o turismo”. A sessão de abertura ficou a cargo do Presidente do ISEP, João Rocha, seguindo-se a intervenção de Ana Mendes Godinho, Secretária de Estado do Turismo, que falou sobre os desafios do turismo para o desenvolvimento de Portugal.

Um dos maiores ícones turísticos do Porto, o terminal de cruzeiros do Porto de Leixões, teve lugar de relevo pelas palavras do próprio autor do projeto de arquitetura, Luís Pedro Silva. O projeto foi apresentado de forma sucinta e foi explicada a ligação do edifício às demais estruturas envolventes, como forma de dinamização turística. Em seguimento da apresentação anterior, Fernando Almeida Santos, Presidente da Região Norte da Ordem dos Engenheiros, incentivou uma reflexão sobre a presença da engenharia no nosso quotidiano e sobre a alavancagem turística que esta proporciona, realçando algumas das mais importantes obras do último século.

O empresário e “tubarão” Mário Ferreira, CEO da DouroAzul, empresa de cruzeiros do rio Douro, apresentou os projetos das empresas da sua holding Mystic Invest, ressalvando o seu avultado investimento em turismo na região. Revelou ainda números da faturação da DouroAzul e da contribuição da mesma para o desenvolvimento local, afirmando que o Porto está muito aquém das suas capacidades no que concerne ao turismo. No final das intervenções, os oradores foram desafiados para um debate moderado por Pedro Araújo, do Jornal de Notícias, onde foi constatada a inegável repercussão do papel da engenharia e da arquitetura no desenvolvimento do turismo.

Finda a sessão, Roque Brandão revelou à fonte referida anteriormente que, através destas conferências, seria possível “mostrar aos futuros engenheiros e futuros licenciados de outras áreas relacionadas com a engenharia e o turismo que existem oportunidades que devemos compreender e tentar agarrar”.