Desporto

Andebol: Desaire portista na primeira jornada da Liga dos Campeões

A equipa “azul e branca” visitou, esta quinta-feira, o Wisla Plock, na Polónia, num encontro a contar para a primeira jornada da Liga dos Campeões. A partida terminou com a vitória da equipa da casa por 27-23. Por Bebiana Ribeiro.

Após uma derrota contra o Sport Lisboa e Benfica, o tricampeão nacional que é também a única equipa portuguesa nesta competição europeia deslocou-se ao pavilhão do Wisla Plock na tentativa de se apurar para a próxima fase da Liga dos Campeões. Por sua vez, a equipa da casa, vinha de uma derrota contra o Radomiak Radom e sonhava com uma vitória na primeira jornada do Grupo A. 

Momentos iniciais de infortúnio para os “dragões”

A equipa polaca fez as honras da casa e aos dois minutos,Przemysław krajewski, num contra-ataque, estreou o marcador. Os “dragões” não iniciaram bem a partida e enfrentaram algumas dificuldades no momento ofensivo. O primeiro golo da equipa visitante surgiu apenas aos cinco minutos da partida com um remate de Miguel Alves (3-1). 

O Wisla mantinha o nível de excelência no bloco defensivo e o distanciamento numérico era cada vez mais evidente. O cronómetro marcava nove minutos jogados e o FC Porto não estava a conseguir responder de forma eficaz (5-1). Face a esta situação, Magnus Andersson, treinador da equipa “azul e branca”, parou o jogo para afinar a estratégia ofensiva dos “dragões”. 

Os dez minutos iniciais do encontro foram de infortúnio para a formação liderada por Magnus Andersson. Um golo de Jakob Mikkelsen permitiu reduzir a distância no marcador, numa altura em que a equipa visitante perdia por quatro golos (6-2).

Os “azuis e brancos” continuavam a lutar para sobressair no marcador, no entanto, a defesa intensa e consistente da equipa polaca foi determinante para dominar os primeiros momentos da partida. 

Com vinte minutos jogados, um golo de Diogo Branquinho, jogador da formação portista, permitiu reduzir o resultado para 9-7. Pela primeira vez, o FC Porto esteve perto de encurtar a diferença numérica, a menor de toda a primeira parte.

A formação liderada por Pavol Stano distanciava-se cada vez mais no marcador e a faltar um minuto para o intervalo vencia o encontro com uma diferença de três golos (13-10).

A primeira parte ficou marcada pelo esforço portista em tentar reverter o resultado,mas sem sucesso. A equipa da casa permaneceu forte tanto ofensiva como defensivamente e levou a melhor, indo para intervalo a vencer por 14-10.

Domínio da casa na segunda metade

Apesar da equipa visitante estar a perder ao intervalo por quatro golos, a vitória ainda estava ao alcance dos “azuis e brancos”. Daymaro Salina, jogador do FC Porto, abriu o marcador da segunda parte do encontro e deixou alerta a equipa adversária.

Os primeiros momentos da segunda metade da partida ficaram marcados por uma melhoria defensiva da equipa visitante e por uma melhor eficácia na concretização dos seus remates. Jogados cerca de três minutos, com uma grande determinação na hora de rematar, Diogo Oliveira, atleta da formação portista, marcou um golo que permitiu encurtar a diferença no marcador (16-13).

Apesar da entrada determinada e dos esforços dos “dragões”, a equipa comandada por Pavol Stano não vacilou e o domínio de todos os fatores do jogo permitiu uma consolidação do resultado e da vitória. Com onze minutos já jogados na segunda parte, a formação polaca vencia por quatro golos (20-16).

Contudo, havia muito jogo pela frente e o FC Porto ainda tinha tempo para reverter a situação e sonhar com uma vitória. A faltar cerca de nove minutos para o final da partida a “força do dragão” surgiu com um golo de Pedro Valdés que permitiu que estivessem a apenas um golo de empatar o encontro (23-22). 

Apesar das três tentativas para um possível empate, foi a equipa da casa que levou a melhor e a cinco minutos para o final da partida marcou mais um golo (24-22). 

Faltavam apenas dois minutos e o marcador registava a diferença de 3 golos (26-23). No último minuto, Lovro Mihic, atleta da equipa da casa, fechou o marcador do encontro por 27-23. 

Do ponto de vista individual, destaque para a exibição do portista Diogo Oliveira. Já na formação do Wisla Plock, Gonzalo Pérez distinguiu-se como melhor marcador. 

Em declarações aos órgãos de comunicação social, Magnus Andersson, treinador do FC Porto, mostrou-se descontente com a exibição portista. Admitiu ainda que a primeira parte da partida “não foi boa o suficiente”. No entanto, realçou a luta da formação portista para reverter a situação. Apesar deste desaire, o treinador dos “dragões” mostrou-se esperançoso com futuros resultados na competição europeia:“vamos jogar melhor nesta Liga dos Campeões”.

  Com esta derrota, o FC Porto arranca a competição sem somar qualquer ponto. Por sua vez, o Wisla Plock soma dois pontos e, desta forma, ocupa um lugar de destaque na classificação. 

O FC Porto vai defrontar na próxima quarta-feira (21), pelas 19:45 horas, no Dragão Arena, o Telekom Veszprém HC. Já o Wisla Plock, desloca-se a Paris, casa do Paris Saint-Germain, também no dia 21, na tentativa de ficar apurado para a próxima fase da Liga dos Campeões.

Artigo da autoria de Bebiana Ribeiro