Desporto

Hóquei: FC Porto bate UD Oliveirense e mantém liderança

Em partida da 24ª jornada do campeonato nacional, os “azuis e brancos” dirigiram-se ao reduto da UD Oliveirense e venceram a equipa da casa. 2-4 foi o resultado final. Por João Pedro Pereira.

Depois da vitória na Taça de Portugal, mas vindo de uma derrota no prolongamento contra o Sporting Clube de Portugal (Sporting CP) na Golden Cup, o Futebol Clube do Porto (FC Porto) teve pela frente a União Desportiva Oliveirense (UD Oliveirense), quinto na tabela classificativa e na disputa pelos lugares cimeiros da fase regular do Campeonato.

Jogo dividido no primeiro tempo

Nos primeiros 25 minutos de jogo, tanto o FC Porto como a UD Oliveirense tiveram dificuldade em criar oportunidades. Os “dragões”, sem contar com os lesionados Telmo Pinto e Reinaldo García, enfrentaram uma UD Oliveirense destemida e que manteve a identidade, pressionando alto e bloqueando as investidas portistas.

Assim, as principais figuras na primeira parte acabaram mesmo por ser os guarda-redes de cada lado, que se impuseram nas poucas oportunidades que existiram. Se, por um lado, Xavi Malián, guarda-redes portista, travava as investidas de Marc Torra e Lucas Martínez, por outro Diogo Fernandes, guardião dos oliveirenses, fazia o mesmo perante as iniciativas de Rafa, Ezequiel Mena e Gonçalo Alves.

Foi então que aos 17 minutos, e pedidos dois descontos de tempo, um para cada lado, o marcador foi desbloqueado. Após falta cometida sobre Xavi Cardoso, Lucas Martínez foi chamado à conversão de um livre direto e marcou de forma exemplar, mostrando todo o seu virtuosismo na “picadinha” perfeita sobre Xavi Malián.

Contudo, a vantagem da comitiva da casa não durou muito. No mesmo minuto de jogo, Carlo Di Benedetto foi derrubado por Nuno Araújo e o juiz de imediato assinalou grande penalidade. Da marca de penálti, Gonçalo Alves (quem mais?) efetuou um disparo certeiro ao ângulo inferior esquerdo da baliza de Diogo Fernandes, votlou aos golos no Campeonato e repôs a igualdade na partida.

Apesar dos golos, o embate manteve-se nivelado e as oportunidades escassas. Xavi Malián e Diogo Fernandes foram firmes e fortes perante as situações intercaladas que, de forma pontual, surgiam de ambas as equipas.

Foi então que, quando já nada o fazia prever, o FC Porto conseguiu chegar à vantagem a oito segundos do fim da primeira parte, numa jogada quase impercetível, por via de Rafa. Os “dragões” mantiveram a posse durante vários segundos e, de longe, o português fez o golo. 1-2 era o resultado ao intervalo. 

Segundo tempo muito competitivo

Depois de um primeiro tempo equilibrado, em que dois dos três golos marcados surgiram de bola parada, os jogadores apresentaram-se em campo com vontade de discutir o resultado e, aos poucos, o jogo abriu-se. 

A primeira jogada veio do stick de Ezequiel Mena que, a passe de Rafa, disparou um tiro para defesa de Diogo Fernandes. Rafa voltaria a tentar pouco depois, mas atirou ao lado.

Ambos os lados tentavam a sua sorte através de contra-ataques rápidos que começavam a ser mais efetivos e a dar origem a chances perigosas, quando aos seis minutos e meio de jogo, Lucas Martínez, depois de uma bela jogada veloz de contra-ataque, sofreu falta para penálti. Na hora da verdade, Tomás Pereira, num remate em tudo semelhante ao de Gonçalo Alves na primeira parte, não tremeu e fez o empate a duas bolas.

A UD Oliveirense não parecia ter medo de acelerar o jogo e fê-lo com qualidade, ao aproximar-se  do golo por duas vezes, aos 11 e 12 minutos de jogo, através de remates de Lucas Martínez que esbarraram em Xavi Malián. 

Mas quando as coisas pareciam estar a correr bem para a equipa da casa, Ricardo Ares, treinador dos “azuis e brancos”, pediu um desconto de tempo e os portistas mudaram. Carlo Di Benedetto, a cerca de nove minutos e meio do fim, foi o rosto da vontade de ganhar que os portistas manifestaram e, numa “picadinha” fenomenal, devolveu a vantagem aos visitantes, festejando de forma efusiva o seu 34º golo no Campeonato.

O mesmo Carlo Di Benedetto teve pouco depois a chance de dilatar a vantagem pela primeira vez no encontro. Após a UD Oliveirense cometer a décima falta, o francês foi chamado a converter o livre direto, mas acabou por perder o controlo da bola e desperdiçar uma chance de golo. 

Quando não é à primeira, nem à segunda, é à terceira. Depois do falhanço de Carlo Di Benedetto e de um remate bloqueado da autoria de Gonçalo Alves, o mesmo aproveitou o ressalto para driblar os oponentes e finalizar com categoria e aumentoupara 39 o número de golos da conta pessoal só no Campeonato Nacional. Seis minutos para se jogar e o marcador ilustrava o resultado de 2-4 a favor dos “dragões”.

Até final, a UD Oliveirense tentou reduzir distâncias e esteve perto por duas vezes, mas Xavi Malián frustrou as intenções de Xavi Cardoso, antes de Jorge Silva atirar ao lado. Os dragões responderam por via de Carlo Di Benedetto, Gonçalo Alves e Ezequiel Mena, mas o resultado não se alterou.

Com esta vitória, o FC Porto passa a somar 58 pontos, mais dois que o Sporting CP e mantém-se firme na liderança. Na próxima jornada, o FC Porto recebe o Sporting Clube de Tomar (SC Tomar), já a UD Oliveirense terá pela frente o Óquei Clube de Barcelos (OC Barcelos), num jogo que poderá ser importante na luta pelo quarto lugar da tabela.