Desporto

Hóquei: “Remontada” dá vitória ao FC Porto e passagem à final da Liga Europeia

Os “dragões” venceram, este sábado, no Pavilhão do Luso, a UD Oliveirense em jogo a contar para as meias-finais da Liga Europeia. 6-4 foi o resultado final. Por Carolina Cardoso

Depois da derrota frente ao SL Benfica (Sport Lisboa e Benfica) no primeiro jogo das meias-finais dos “play-offs” do campeonato, o Futebol Clube do Porto (FC Porto) deslocou-se, este sábado, ao Pavilhão do Luso, na Mealhada, para defrontar a União Desportiva Oliveirense (UD Oliveirense) em jogo a contar para a Liga Europeia de Hóquei.

À partida para o encontro, a equipa de Oliveira de Azeméis era a única presente nas meias-finais da competição sem nunca ter conquistado o troféu em causa. Na época transata a prova não foi realizada devido à pandemia da Covid-19, com o Sporting CP a ser ainda o atual detentor do troféu.

Primeira parte com chuva de golos

Os jogadores ainda estavam a entrar no ritmo do jogo quando Jordi Bargalló, no primeiro minuto da partida, colocou a UD Oliveirense em vantagem. Os comandados de Paulo Pereira, treinador oliveirense, criaram mais oportunidades de perigo nos primeiros minutos de jogo e obrigaram o FC Porto a apresentar-se mais recuado em campo do que o habitual. 

A primeira chance de golo para os “azuis e brancos” surgiu através de um penálti, após falta de Jordi Bargalló sobre Reinaldo Garcia. Na cobrança, Gonçalo Alves viu Nélson Filipe, guarda-redes da equipa de Oliveira de Azeméis, negar-lhe o golo do empate. 

Aos sete minutos, uma grande penalidade foi marcada no lado oposto. Depois de uma combinação no ataque da UD Oliveirense, Xavi Barroso cometeu uma falta. Marc Torra não desperdiçou o lance e dilatou a vantagem para 2-0. 

Guillem Cabestany, treinador portista, apressou-se a pedir um desconto de tempo para tentar “acordar” a equipa, mas mais uma vez foram os oliveirenses a chegar ao golo. Através de uma jogada no lado direito do ataque, Henrique Magalhães escreveu o seu nome na lista de marcadores. 

Os “dragões” tentaram responder às investidas da equipa de Oliveira de Azeméis, mas sem sucesso. O treinador portista tentou mexer na equipa para trazer outras dinâmicas ao jogo, mas o guardião oliveirense manteve-se seguro entre os postes. Aos 14 minutos, o golo surgiu novamente por parte da UD Oliveirense. Lucas Martínez ganhou espaço, apareceu frente a Malián e não perdoou. 4-0 era o resultado no marcador. 

Os “azuis e brancos” foram rápidos a reagir e Ezequiel Mena reduziu depois de uma boa assistência de Carlo Di Benedetto. O jogo no Luso estava cada vez mais disputado e foi, de novo, o FC Porto, através de Carlo Di Benedetto, a furar as redes de Nélson Filipe. A finalização de primeira junto ao poste esquerdo, depois da assistência de Gonçalo Alves, trouxe os “dragões” de regresso à partida.

Logo de seguida a UD Oliveirense podia ter marcado, mas Malián fez uma grande defesa depois do remate de Jordi Bargalló. A dois minutos do fim, Poka reduziu ainda mais a desvantagem portista com um remate fortíssimo do “meio da rua”, sem hipótese para o guarda-redes oliveirense. 4-3 era o resultado ao intervalo.

Segunda parte com direito a remontada

O segundo tempo começou com duas oportunidades flagrantes para a UD Oliveirense. A primeira anulada por Malián e a segunda pela trave da baliza portista. Aos sete minutos, os pupilos de Paulo Pereira cometeram a décima falta e deram a oportunidade aos portistas de empatar o jogo a quatro golos. Chamado a bater, Gonçalo Alves não conseguiu ultrapassar Nélson Filipe. O FC Porto continuou a tentar chegar à igualdade, mas, apesar da chuva de golos da primeira parte, a bola teimou em não entrar.

Em vantagem no marcador, a equipa oliveirense tentou sempre gastar os 45 segundos ofensivos à procura de um erro dos “azuis e brancos”. O FC Porto subiu linhas, mas acabou por ser apanhado num contra-ataque rápido e, obrigado a cometer uma falta, ofereceu um livre direto à UD Oliveirense. 

No duelo com Lucas Martinez, Malián foi mais forte. Os dois guarda-redes mantinham-se em destaque na partida, mas a cinco minutos do fim, Carlo Di Benedetto superou Nélson Filipe após a cobrança de um livre direto. Era certo que existiria jogo até ao fim.  

Logo de seguida, depois de uma excelente assistência de Gonçalo Alves, Xavi Barroso colocou os “azuis e brancos” em vantagem pela primeira vez no encontro. Estava feita a reviravolta. O FC Porto ainda teve tempo de marcar o sexto golo. Mais uma vez, a assistência foi de Gonçalo Alves, que deixou Ezequiel Mena isolado em frente à baliza. O jogador portista fechou o marcador em 6-4.

No final do encontro, Guillem Cabestany, treinador do FC Porto, realçou que “a Oliveirense fez um grande jogo e dificultou muito a nossa vitória” mas que “não pode acontecer entrarmos da forma que entrámos em ambos os jogos”. O técnico portista referiu que o FC Porto tem aspetos a corrigir e que “a rotação da equipa foi importantíssima para termos conseguido esta vitória”. Relativamente à final da competição, garantiu ser “um jogo que queremos vencer”.

O FC Porto enfrenta, este domingo, o Sporting CP, vencedor da outra meia-final frente ao SL Benfica, às 17h30, no Pavilhão do Luso. 

Artigo da autoria de Carolina Cardoso