Desporto

Hóquei: Mau arranque acaba em derrota caseira do FC Porto frente ao SL Benfica

Os “dragões” receberam, este sábado, no Dragão Arena, os rivais de Lisboa nas meias-finais dos play-offs do campeonato. 5-7 foi o resultado. Por Pedro Marques dos Santos

Depois de duas vitórias convincentes frente à Juventude de Viana nos quartos de final dos play-offs do Campeonato Nacional de Hóquei em Patins, o que evitou a necessidade de disputar uma terceira e decisiva partida, o Futebol Clube do Porto (FC Porto) recebeu, este sábado, no Dragão Arena, o Sport Lisboa e Benfica (SL Benfica).

Ao contrário dos “dragões”, os lisboetas precisaram de disputar três encontros para ultrapassar a UD Oliveirense e chegar às meias-finais. Num encontro entre o primeiro e o quarto classificado da fase regular, a equipa orientada por Guillem Cabestany pretendia usar o fator casa a seu favor para arrancar esta etapa dos play-offs com uma vitória.

Início de pesadelo

Ainda assim, foi o SL Benfica quem se colocou desde cedo em vantagem, depois de Valter Neves finalizar com sucesso uma transição rápida conduzida por Diogo Rafael. Como se esperava, os primeiros minutos foram de enorme intensidade, com disparos frequentes na direção das balizas. Naquele que foi um início de autêntico pesadelo para os “azuis e brancos”, uma escorregadela de Gonçalo Alves permitiu novo contra-ataque para os visitantes que terminou com Lucas Ordóñez a fazer o 0-2.

Logo de seguida, Valter Neves voltou a faturar, desta vez através de um remate de meia distância, e colocou o resultado em 0-3 numa altura em que não estavam ainda decorridos os primeiros cinco minutos do encontro. Apesar da tentativa de reação do FC Porto, que atirou duas bolas aos ferros e via Pedro Henriques evidenciar-se na baliza benfiquista, seriam as “águias” a chegar de novo ao golo. Mais uma transição defensiva deficiente dos portistas e Lucas Ordóñez não perdoou na cara de Xavi Malián.

Claramente afetada pela marcha do marcador, aos dez minutos de jogo houve mais um rude golpe para os “dragões” que viram uma defesa do seu guardião levar a bola a ressaltar no corpo de Ezequiel Mena e acabar dentro da baliza portista, com o resultado a chegar aos 0-5. Lenta e muito vezes exposta às transições dos SL Benfica, os primeiros 15 minutos da partida tiveram um FC Porto francamente desinspirado e muito longe da equipa avassaladora que dominou as últimas jornadas do campeonato.

Ainda assim, Gonçalo Alves, o goleador dos “azuis e brancos”, deu o mote para a reação portista, a cinco minutos do intervalo, através de um potente remate cruzado, sem hipóteses para Pedro Henriques e que penalizou um mau passe de Carlos Nicolía. O golo teve o condão de estabilizar os jogadores do FC Porto que, a pouco mais de dois minutos do fim da primeira parte, aproveitaram um dois contra um ofensivo para fazer o 2-5, por intermédio do capitão Reinaldo García.

Pouco depois, Gonçalo Alves dispôs de um livre direto para reduzir ainda novamente a desvantagem, mas o guardião Pedro Henriques levou a melhor no duelo entre internacionais portugueses. Até ao final do primeiro tempo, destaque para mais uma excelente intervenção do guarda-redes do SL Benfica, na resposta a um remate à meia-volta de Reinaldo García. 2-5 era o resultado ao intervalo.

Frieza benfiquista segurou a vantagem

À imagem do arranque do jogo, o início da segunda parte voltou a ser frenético, mas desta vez sem que nenhuma das equipas materializasse em golos as inúmeras aproximações à baliza adversária. Ainda assim, havia maior supremacia para os “dragões”, obrigados para a ir atrás do prejuízo. Com o passar dos minutos, o SL Benfica começou a circular mais a bola, com o propósito de estender ao máximo os seus ataques e fazer passar o relógio.

Aos 11 minutos do segundo tempo, Gonçalo Alves capitalizou um novo livre direto para os “azuis e brancos”, a castigar a décima quinta falta benfiquista, e reduziu a desvantagem para 3-5. Contudo, na resposta, Nicolía respondeu da mesma forma e voltou a restabelecer a vantagem de três golos para o SL Benfica na cobrança de um livre direto. Alguns minutos depois, em novo livre direto, Gonçalo Alves fez o hat-trick e colocou o resultado em 4-6.

Apesar dos esforços da equipa da casa, os lisboetas mantinham uma forte eficácia no ataque e respondiam sempre de forma rápida aos golos sofridos. Foi isso que voltou a acontecer a oito minutos do fim, quando Diogo Rafael, num remate com pouco ângulo, praticamente sentenciou a partida ao fazer o 4-7. Ordóñez ainda teve um livre direto para fazer o oitavo dos visitantes, mas Malián impediu esse desfecho.

Já sem grande organização, os últimos minutos no encontro decorreram de forma incaracterística e sem grande fio de jogo. Carlo di Benedetto ainda reduziu para 5-7 a 15 segundos do fim, resultado com que a partida terminou.

No final do encontro, Guillem Cabestany lamentou a entrada desastrada no jogo, diante de “uma grande equipa que aproveita muito bem os contra-ataques”, que se mostrou altamente eficaz e que teve sorte em alguns golos. Referiu ainda que “não é fácil, emocionalmente, uma equipa olhar para o marcador nos 0-5 aos 10 minutos”. 

Ainda assim, salientou também o facto do FC Porto ter conseguido acalmar o jogo e entrar no mesmo aos poucos, após esses dez minutos iniciais. O técnico portista terminou a afirmar que é “preciso manter a cabeça fria e não deixar que o coração leve a melhor sobre a cabeça”.

Por sua vez, Alejandro Domínguez, técnico do SL Benfica, disse que a equipa esteve “muito bem defensivamente e o contra-ataque não só funcionou bem como foi tremendamente eficaz”. O argentino mostrou-se também confiante para os embates futuros. “Deixo uma mensagem de fé aos nossos adeptos porque ela já demonstrou que pode ganhar às grandes equipas as vezes que forem necessárias”, concluiu.

Com este resultado, o FC Porto já sabe que está obrigado a vencer pelo menos um encontro no terreno do SL Benfica para vencer esta eliminatória. O segundo jogo das meias-finais está marcado para 22 de maio, ainda no Dragão Arena. Antes disso, no próximo fim de semana, as duas equipas entram em ação na final-four da Liga Europeia. Os “dragões” enfrentam a UD Oliveirense, enquanto as “águias” defrontam os rivais do Sporting CP.

Artigo da autoria de Pedro Marques dos Santos