Desporto

Hóquei: FC Porto mantém série vitoriosa na visita ao AD Valongo

Os “azuis e brancos” visitaram, este domingo, a formação de Valongo em jogo da 19ª jornada do campeonato. 3-6 foi o resultado. Por Pedro Marques dos Santos

O Futebol Clube do Porto (FC Porto) deslocou-se, este domingo, até ao Pavilhão Municipal de Valongo, para defrontar a equipa da casa e tentar prolongar a sua sequência de sete vitórias consecutivas para o campeonato nacional de Hóquei em Patins. À partida para o encontro da 19ª jornada, a Associação Desportiva de Valongo (AD Valongo) estava numa confortável sétima posição da tabela classificativa, mas procurava colocar um fim ao pior momento de forma na temporada, depois de sete jogos seguidos sem qualquer vitória.

Primeiro tempo repartido

Apesar do favoritismo natural dos “dragões”, os minutos iniciais da partidas mostraram que o AD Valongo não tinha como estratégia fechar-se atrás e oferecer a iniciativa aos comandados de Guillem Cabestany. Com o encontro repartido, a primeira oportunidade foi mesmo para a equipa da casa, depois de uma grande penalidade cometida por Rafa, jogador que já passou pela formação de Valongo. Nuno Araújo foi quem avançou para a marcação, mas Xavi Malián, guardião portista, segurou o 0-0.

Aos cinco minutos de jogo, e após uma perda de bola comprometedora por parte de Diogo Abreu, Reinaldo Garcia, capitão “azul e branco”, surgiu isolado e abriu o marcador para o FC Porto. Ainda que as oportunidades claras de golo não fossem muitas, o AD Valongo evidenciava algumas dificuldades na manobra defensiva. No entanto, foi de novo a formação treinada por Edo Bosch, histórico guarda-redes dos “dragões”, que voltou a criar perigo, com Rafael Bessa a enviar uma bola ao poste, no seguimento de uma boa jogada individual.

Com o avançar dos minutos percebeu-se também que o FC Porto estava a dar a iniciativa de jogo ao AD Valongo e a apostar nas transições rápidas, com Ricardo Silva, guarda-redes da equipa da casa, a ser testado várias vezes. E foi como consequência dessa opção tática que os visitantes dilataram a vantagem, através de Carlo di Benedetto. A resposta não demorou, contudo, uma vez que Rúben Pereira, com um forte remate, reduziu para 1-2 pouco depois.

A primeira parte contou assim com um AD Valongo desinibido, mas a acumular perdas de bolas em zonas perigosas que deixaram em apuros a sua baliza. A dois minutos do intervalo, Gonçalo Alves, de grande penalidade, teve a última oportunidade do primeiro tempo, mas Ricardo Silva levou a melhor. 1-2 era o resultado quando as equipas regressaram aos balneários.

Fuga no resultado e gestão de jogo

O recomeço da partida trouxe um FC Porto mais dominador e com mais tempo de posse de bola. Esse domínio inicial acabou traduzido num golo de Gonçalo Alves, em mais uma transição rápida com superioridade numérica no ataque. Aos cinco minutos, Poka, atleta dos “dragões”, foi admoestado com um cartão azul e Guilherme Silva avançou para a marcação do livre direto. No entanto, tal como no primeiro tempo, Malián voltou a superiorizar-se.

Ainda assim, o AD Valongo trabalhou bem a superioridade numérica durante os minutos seguintes e Nuno Araújo, capitão da equipa da casa, reduziu a desvantagem para 2-3. De seguida, foi a vez dos “azuis e brancos” disporem de um livre direito, a castigar a décima falta do adversário, mas Gonçalo Alves atirou ao lado. Nesta fase do encontro, a posse continuava a ser dominada pelo FC Porto, no entanto, era a formação treinada por Edo Bosch que criava mais perigo nas suas abordagens ofensivas.

Quando faltavam pouco mais de dez minutos para o final, e já depois de um desconto de tempo pedido pelo técnico portista, os “dragões” chegaram ao 2-4 por intermédio de Cocco, num remate com pouco ângulo. Poucos segundos depois, foi Nuno Santos a ver um cartão azul e a conceder um livre direto para os visitantes, que o francês Di Benedetto tratou de converter para fazer o quinto dos “azuis e brancos” e o seu segundo na partida.

Numa fase em que os golos se sucediam, o AD Valongo marcou de novo e reduziu para 3-5, com Guilherme Silva a aproveitar a recarga após mais um livre direto defendido por Malián. A partir desse momento, o FC Porto fez uso da qualidade dos seus atletas e da maior experiência para gerir a vantagem e controlar a partida, ao gastar com frequência o tempo máximo dos seus ataques sem alvejar a baliza adversária. A formação de Valongo lutou até ao fim, mas não conseguiu voltar a colocar em perigo a vitória portista.

A dois minutos do final, Di Benedetto aproveitou novo livre direto para selar o seu hat-trick e fechar o resultado em 3-6.

No final do encontro, Edo Bosch, técnico do AD Valongo, considerou que a sua formação se bateu bem “com uma grande equipa” e que esteve feliz “em todas as fases do jogo”. O antigo guarda-redes do FC Porto afirmou ainda estar orgulhoso da sua equipa que, na sua opinião, teve oportunidades para terminar a partida com outro resultado.

Por sua vez, Guillem Cabestany, treinador portista, considerou que os “azuis e brancos” estiveram bem, sobretudo no segundo tempo, pela forma inteligente como controlaram a partida. Salientou ainda que, todos os anos, as deslocações a Valongo exigem muito da sua equipa e que é habitual passarem “por momentos complicados”.

Com este resultado, o FC Porto continua em segundo lugar, a um ponto do líder OC Barcelos, mas com menos um jogo disputado, enquanto o AD Valongo mantém-se no sétimo lugar e em zona de qualificação para o play-off de apuramento de campeão. As duas equipas voltam a jogar no sábado, com os “dragões” a visitarem a Juventude de Viana e a formação de Edo Bosch a deslocar-se até Oliveira de Azeméis, para defrontar a UD Oliveirense.

Artigo da autoria de Pedro Marques dos Santos