Desporto

COVID-19: As recomendações da DGS num Dia Mundial da Atividade Física atípico

Numa altura em que o contexto da pandemia de COVID-19 obriga ao isolamento, a Direção-Geral da Saúde reforça a importância do combate ao sedentarismo.

A Direção-Geral da Saúde (DGS), no seguimento da celebração do Dia Mundial da Atividade Física, disponibilizou um conjunto de recomendações para a prática de exercício durante a atual situação de confinamento social, devido à pandemia de COVID-19, à qual se refere como “uma altura de risco para o sedentarismo”.

Marlene Silva, diretora do programa nacional para a promoção da atividade física da DGS, em declarações à agência Lusa, exaltou a importância, agora mais do que nunca, da prática de atividade física, que se revela fulcral para a gestão saudável do stress, para um sono mais reparador e para a libertação de endorfinas, hormonas que promovem a positividade. Deste modo, e face ao momento vivido, torna-se “ainda mais relevante falar de atividade física e do papel fundamental que a atividade física tem na manutenção da saúde física e mental” de todos.

Nesse sentido, a DGS compilou um conjunto de iniciativas de instituições de ensino superior, de entidades governamentais e de utilidade pública, vinculadas ao desporto e a tudo o que envolve atividade física, com o intuito de contrariar a crescente tendência para o sedentarismo.

De realçar que a Direção-Geral da Saúde se tem mostrado atenta às questões relativas à atividade física desde o início da pandemia. Assim, como forma de interromper o comportamento sedentário que o confinamento em casa motiva, são vários os conselhos disponibilizados, desde a dança, ao saltar à corda e o jogar à macaca, bem como programas de acompanhamento personalizado, aulas em direto e vídeos com exercícios para todas as idades.

O objetivo é que a impossibilidade de praticar exercício fora de casa não seja o pretexto para uma completa inatividade física. A redução substancial desta, e o consequente comportamento sedentário, podem ser prejudiciais para a saúde, pelo que, e de modo a assegurar o bem-estar dos indivíduos, a Organização Mundial de Saúde (OMS) apresenta algumas propostas para que estes se mantenham ativos, mesmo sem sair de casa.

É recomendado que todos os adultos saudáveis realizem pelo menos 30 minutos de atividade física diária e que, em contexto familiar, sejam pensados alguns exercícios aplicáveis também às crianças, assegurando-se a aptidão cardiovascular e a manutenção do equilíbrio e da força da musculatura. Recomenda-se também a interrupção, de 30 em 30 minutos, do comportamento sedentário, através de estratégias como atender telefonemas em pé, de forma a que as pessoas não fiquem demasiado tempo paradas.

De acordo com o mais recente balanço da DGS, Portugal regista atualmente 11.730 infetados por COVID-19 e um total 311 vítimas mortais. 140 pessoas já recuperaram.