Desporto

HÓQUEI: FC PORTO VENCE SPORTING CP E GARANTE LIDERANÇA ISOLADA

Os “dragões”venceram por 3-1 os rivais de Lisboa este sábado, em partida a contar para a 20ª jornada do Campeonato Nacional. Por Pedro Marques dos Santos.

O Dragão Caixa vestiu-se de gala este sábado para assistir ao clássico da 20ª jornada do Campeonato Nacional de Hóquei em Patins, um encontro que colocava frente-a-frente os dois líderes da prova e rivais de longa data nas mais diversas modalidades. Apesar da igualdade pontual, a vitória do Sporting Clube de Portugal no Pavilhão João Rocha na primeira volta dava vantagem à formação orientada por Paulo Freitas antes de um confronto com repercussões importantes nas contas do título.

Embora tanto o Futebol Clube do Porto como o Sporting tenham perdido pontos em jornadas recentes do campeonato – contra o Oeiras e Oliveirense, respetivamente – as duas formações chegavam a esta partida depois de vitórias nas três competições em que estão atualmente envolvidas, isto é, no campeonato, na Taça de Portugal e na Liga Europeia.

Como seria de esperar de um encontro entre dois candidatos ao título, os primeiros minutos mostraram duas equipas à procura do golo, mas sem se exporem demasiado ao erro. Os “dragões” mostravam-se perigosos nas transições rápidas, um departamento do jogo em que a formação de Cabestany se destaca com frequência. Ainda assim, as dificuldades para penetrar a organização adversária por parte dos dois líderes do campeonato eram muitas, com as oportunidades claras de golo a escassearem e os remates de meia distância a serem o meio preferencial de ataque à baliza.

Apesar dos vários descontos de tempo pedidos pelos treinadores, o equilíbrio manteve-se durante toda a primeira parte e as poucas oportunidades de relevo que surgiam esbarravam em dois guarda-redes em bom momento de forma. A posse de bola era superior para a equipa da casa, mas o Porto demonstrava incapacidade para desfeitear a defesa do Sporting em ataques organizados, enquanto os “leões” criavam perigo em transição.

Esta toada de jogo permaneceu intacta até ao final do primeiro tempo, momento da partida que ficou marcado por vários desentendimentos entre jogadores das duas formações. O clima era tenso e também nas bancadas se verificaram problemas entre adeptos que forçaram a atuação dos seguranças do recinto e das forças policiais. Ao intervalo, o resultado era 0-0.

A segunda metade iniciou-se no mesmo registo do primeiro tempo, mas com uma maior objetividade nos ataques a forçar os guarda-redes a trabalhos forçados e com o número de oportunidades a subir de forma considerável. Como resultado desta maior intensidade na partida, a primeira grande ocasião para o Sporting surge através de um livre direto para a castigar a décima falta portista. Ferran Fort não foi capaz superar Felipe Magalhães, que logo de seguida foi forçado a travar um contra-ataque perigoso com uma defesa importante.

Do outro lado do rinque, Gonçalo Alves dispôs de uma oportunidade de ouro para abrir o marcador na cobrança de uma grande penalidade cometida por Pedro Gil, o espanhol com um passado forte no Dragão, sobre Rafa, mas o remate embateu no ferro. Depois seria Girão a negar o primeiro dos “dragões” com uma defesa de elevada espetacularidade. Contudo, este momento de maior pressão ofensiva da equipa da casa haveria de dar frutos, com Gonçalo Alves a inaugurar o marcador na cobrança de mais um penalti cometido por Pedro Gil.

Abertas as hostilidades, o golo do Porto trouxe maior velocidade e espaço à partida, o que resultou em várias oportunidades para as duas equipas, entre elas um livre direto para a formação de Cabestany no qual Hélder Nunes viu o ferro da baliza de Girão negar-lhe o golo. A precisar de um resultado diferente para manter a liderança, a iniciativa de jogo passou para o Sporting e era agora a equipa da casa que apostava nas transições. E foi precisamente dessa forma que os “azuis e brancos” ampliaram a vantagem após uma recuperação de bola do capitão portista a meio campo e com Poka a finalizar uma situação de três para dois bem trabalhada.

A resposta dos “leões” surgiu através de um livre direto a castigar a 18ª falta do Porto. Em novo duelo entre Ferran Font e Filipe Magalhães, foi outra vez o guardião português a levar a melhor e a manter a baliza dos “dragões” a zero. A pouco mais de cinco minutos do final, Font foi admoestado com um cartão azul, mas Hélder Nunes voltaria a não conseguir converter o livre direto.  Na jogada seguinte e ainda em desvantagem numérica, os visitantes chegariam ao golo por intermédio de Matias Platero.

A perder pela margem mínima, os minutos finais foram disputados a alta intensidade à medida que o Sporting procurava chegar ao empate. Já bem perto do final da partida, Paulo Freitas retirou Girão do rinque e apostou num cinco para quatro na busca do 2-2. Tal não aconteceu e numa perda de bola fatal, Reinaldo Garcia fixou o resultado final em 3-1 perante uma baliza “leonina” desprotegida.

Depois do final da partida, Guillem Cabestany considerou que foi uma partida bem disputada em que as defesas se superiorizaram aos ataques, explicando que nem sempre é possível ganhar com uma exibição “fluída e bonita” e que por vezes também é preciso sofrer. O técnico portista apontou igualmente o Sporting como a melhor equipa do campeonato a nível defensivo.

Já Paulo Freitas lamentou que a sua equipa não tenha conseguido sair do Dragão Caixa a depender apenas de si nas contas do título e afirmou que o jogo foi equilibrado e decidido nos pormenores. O técnico leonino fez também alguns reparos à exibição da equipa de arbitragem que considerou ter tido influência na partida. A conferência de imprensa ficou também marcada por declarações de Miguel Albuquerque, Diretor Geral das Modalidades, sobre os desacatos na bancada que se verificaram no final da 1ª parte. Quem também se dirigiu aos jornalistas foi Miguel Afonso, Vogal do Conselho Diretivo, que questionou a ausência do Presidente da Federação de Patinagem no clássico.

Com este resultado, o Futebol Clube do Porto chega aos 49 pontos e assume a liderança isolada do Campeonato Nacional. Por sua vez, o Sporting Clube de Portugal vê os “dragões” ficarem com três pontos de vantagem e é apanhado no segundo lugar pela Oliveirense. Na próxima jornada, o FC Porto vai ao terreno do HC Braga, enquanto o Sporting CP recebe o Oeiras.

Artigo da autoria de Pedro Marques dos Santos