Desporto

HUGO LOPES: “É UM SONHO CORRER JUNTO DOS MELHORES DO MUNDO”

Hugo Lopes é estudante do 3º ano de Engenharia Mecânica Automóvel no ISEP. O jovem de 20 anos é um dos 17 portugueses inscritos no Rally de Portugal e não disfarça a emoção de participar no evento.

É a primeira vez que Hugo Lopes participa no Rally de Portugal. O jovem estudante do Instituto Superior de Engenharia do Porto (ISEP) estreou-se como piloto aos 13 anos, no Campeonato Nacional de Ralicross. Ao JUP, confessou que sempre sentiu o “bichinho” pelo desporto automóvel e que tornar-se piloto era “um grande sonho” desde criança.

Atualmente, Hugo divide o seu tempo entre as corridas e o ensino superior. O piloto disputa o Campeonato de Portugal de Ralis e a Peugeot Rally Cup Ibérica e assume que “é complicado” conciliar tudo, mas nada que um “esforço extra” não resolva.

A logística da equipa, do carro e das provas são tarefas que competem ao jovem piloto, que acaba por ter de “prescindir” de outros planos, como as saídas com os amigos. Mas o “friozinho na barriga” que sente antes de cada competição faz tudo valer a pena. “Há sempre alguma pressão em fazer um bom trabalho e mostrar o nosso valor, principalmente numa competição tão exigente como os ralis, em que existe sempre receio do que vamos encontrar e de como vai correr, mas é aí que está piada dos desportos”, confessa.

Quando o assunto é o Rally de Portugal, Hugo não esconde a emoção: “É um sonho e sinto-me um privilegiado em correr junto dos melhores do mundo“. Na sua estreia na competição, o piloto espera um rali “muito duro” e afirma que tem de conciliar a vontade de desfrutar do momento com a inteligência, para “não cometer erros e terminar a prova no melhor lugar possível”.

Sobre o apoio dos espectadores, não restam dúvidas: “Se o público vibra quando os carros passam, sentimos totalmente o seu apoio”. Hugo espera encontrar “os troços cheios de público” durante as suas passagens no Rally de Portugal, pois acredita que é esse entusiasmo que motiva os pilotos.

O jovem confessou ainda que o ambiente vivido nos ralis é muito bom e que “todos os participantes fazem o seu trabalho sem prejudicar os outros”, uma vez que “não existe luta direta”. Contudo, Hugo acredita que falta investir no desporto automóvel em Portugal, já que é “complicado arranjar patrocínios” e que grande parte do investimento é feito pela equipa do piloto.

O Rally de Portugal vai para a estrada entre 17 e 20 de maio e conta com a participação de 17 portugueses em 89 inscritos.