Desporto

BASQUETEBOL: BENFICA BISA NO DRAGÃO CAIXA

As “águias” voltaram a silenciar o pavilhão "azul e branco" e asseguram o regresso à capital a vencer nas finais por 2 - 0, depois de uma vitória este domingo por 83 - 81.

O Futebol Clube do Porto (FCP) entrou no jogo à procura de empatar a série, enquanto que o Sport Lisboa e Benfica (SLB) começava o encontro em busca de levar dois jogos de vantagem para Lisboa.

O primeiro período começou com os dois conjuntos a procurarem lançamentos mais próximos do cesto, o que resultou em boas percentagens de campo (53,8% para o FCP e 57,1% para o SLB). O Porto contou com boas combinações de Miguel Queiroz e Nick Washburn, enquanto Nuno Oliveira (sete pontos) liderou o ataque dos “encarnados” do outro lado do campo. O ritmo do jogo foi lento nos minutos finais do período e o encontro foi empatado para a segunda metade da primeira parte (23 – 23).

O Porto entrou no segundo período empenhado em aumentar a intensidade da partida. O resultado dessa aposta foi um parcial de 9 – 2 a abrir o tempo, com boas movimentações de bola e José Silva e Nick Washburn a liderarem contra-ataques. A entrada forte da equipa da casa levou Carlos Lisboa a pedir um desconto de tempo, de onde o Benfica saiu com uma parcial de 7 – 0 liderado por Damien Hollis (nove pontos no segundo período). O momento alto da primeira parte ficou reservado para os instantes finais, em que Jeff Xavier marcou um triplo a bater a buzina que permitiu aos “dragões” irem para o terceiro período com uma vantagem de quatro pontos (43 – 39).

A segunda parte começou com um triplo de Brad Tinsley a que o Benfica respondeu de imediato com dois pontos de Damian Hollis. No entanto, grande parte do terceiro período teve um basquetebol com a qualidade de jogo aquém da primeira parte. As duas equipas apresentaram percentagens de lançamento mais baixas e as perdas de bola aumentaram, com o Benfica a aproveitar a linha de lance livre para empatar a partida. Do lado do Porto, Sasa Borovnjak (acabou o jogo com 21 pontos) foi importante para manter o Porto na frente à entrada do último período (57 – 55).

O derradeiro quarto começou o Benfica a colocar-se na frente do marcador. O jogo entrou numa fase de muita precipitação das duas equipas, com muitas perdas de bola em transição. Da precipitação no jogo passou-se para a “chuva” nos cestos. O Porto marcou três triplos em outras tantas posses de bola consecutivas e alcançou uma diferença de cinco pontos no marcador (72 – 67). A resposta do Benfica foi protagonizada por Derek Raivio (nove pontos no quarto período). O base norte-americano empatou o jogo com cinco pontos da sua autoria.

Com cerca de 40 segundos para jogar, o Porto teve oportunidade de empatar ou passar para a frente no jogo, com Brad Tinsley e Miguel Queiroz na linha de lance livre, sem sucesso (1/4 de lance livre nesta fase do encontro). O Benfica aproveitou, com Derek Raivio a marcar um triplo que deu uma vantagem de quatro pontos aos visitantes (78 – 82). Jeff Xavier ainda aproximou os “dragões” com novo lançamento de três pontos (81 – 82) e o Porto teve hipótese de levar o jogo a prolongamento depois de Raivio converter um de dois lances livres. Com 1,4 segundos no relógio e a perder por dois pontos, o desfecho do jogo esteve mais uma vez nas mãos de Jeff Xavier, que não conseguiu converter o triplo que daria a vitória aos “azuis e brancos”.

No final da partida, Carlos Lisboa afirmou que nada está ganho: “As Finais são disputadas jogo a jogo, os jogos são muito fechados e as equipas muito equilibradas”. O técnico do Benfica aponto o trabalho de equipa como a chave para vencer o jogo: “Partilhamos melhor a bola, apareceram jogadores a fazer lançamentos mais confortáveis”, lembrando que “mesmo a perder nos mantivemos focados”.

Do lado do Porto, Moncho López considerou que a equipa teve problemas para parar o ataque adversário: “Atacaram o um contra um com força e talento, tivemos dificuldades para parar isso e quando conseguimos fazer um bom trabalho nas ajudas o Benfica teve a capacidade de distribuir bem e encontrar jogadores livres”. Moncho não deixa de elogiar a equipa: “Foi um jogo de muito de muita pressão e a atitude foi impecável. Os erros fazem parte”. Para os jogos em Lisboa, o treinador espanhol ainda acredita na vitória: “Da mesma forma que o Benfica venceu aqui, nós sabemos que conseguimos vencer na Luz”.

O Benfica consegue assim uma vantagem de 2 – 0 nas finais e precisa de uma vitória para se sagrar campeão. Já o Futebol Clube do Porto vê-se obrigado a vencer os dois na Luz para poder disputar um quinto encontro. O Jogo 3 está marcado para a próxima quinta feira.