Cultura

SARAU DO ORFEÃO UNIVERSITÁRIO: CAPAS E XAILES CELEBRAM A MULHER

O Porto Palácio Hotel recebeu o 72º Sarau Anual do Orfeão Universitário do Porto, no domingo (dia 8). A tarde que virou noite serviu de homenagem às mulheres de todo o mundo, num dia que é particularmente delas.
Fotografia por Joana Costa Machado.

O tema “Mulheres: Uma história, uma vida” serviu de mote ao Sarau Anual do Orfeão Universitário do Porto (OUP). No ano em que se assinalam 106 anos do surgimento do Dia Internacional da Mulher, o espetáculo fez uma trajetória pela evolução do papel feminino ao longo do tempo.

Várias épocas são retratadas, desde a Antiguidade Clássica à atualidade. Ao falar da Era Industrial, da vida boémia e das mazelas da Guerra, tocam-se em conceitos chave como a valorização da mulher e a igualdade de direitos.

Na viagem pelo tempo, seja de capa traçada ou com xailes coloridos, são os vários grupos do Orfeão quem guiam a narrativa. A primeira paragem é o Coro Clássico do OUP, a segunda os Pauliteiros e as Pauliteiras de Miranda. Segue-se o Fado Lisboa, o Cante Alentejano, os Cantares de Maçadeiras, o Coro Popular e os Cantares e Dançares do Minho.

Quase a chegar ao destino há tempo para as Tunas, a Tuna Feminina do OUP (TunaF) e Tuna Universitária do Porto. No final, tudo se cala para ouvir os Amores de Estudante, na presença do autor e antigo orfeonista Aureliano da Fonseca.

Neste serão de homenagem às mulheres, celebra-se o amor à vida académica e canta-se com alma “Quero ficar para sempre estudante, para eternizar a ilusão de um instante.”