Cultura

A DESCONTRAÇÃO DOMINOU AS PRIMEIRAS HORAS DE COMIC CON

O primeiro dia de Comic Con Portugal correu leve, planando acima de todos os imprevistos. O ambiente foi surpreendentemente harmonioso para uma convenção que reúne milhares de visitantes. Poucas foram as filas, zero as lutas por um lugar.
Vídeo por Nádia Teixeira.

Os artistas passearam-se pelo recinto de forma descontraída prontos para um par de fotografias e uma troca de elogios em qualquer canto. Não faltaram malabarismos temáticos para animar malta, desde stormtroopers em patrulha a zombies puxados por uma trela, houve um pouco de tudo para todos.

Os fãs trocaram perguntas animadas com os convidados, sem complexos linguísticos em falhar uma ou duas palavras em inglês e sem temas proibidos.  No entanto, as questões souberam a pouco e as respostas espremidas deram pouco sumo. Talvez seja apenas fruto da timidez inicial, mas as intervenções não deixaram de fazer transparecer a inexperiência de um público que explora o conceito Comic Con pela primeira vez.

“O maior evento da cultura pop em Portugal” construiu-se num terreno instável de críticas de um público divido. Entre a insatisfação de não receber nomes mais sonantes e a benevolência de uma primeira edição, hoje venceu a segunda. Queixas mal se ouviram, mas os risos à socapa, os comentários animados nas filas e as “corridinhas” para apanhar “aquele artista” encheram o recinto. E ninguém espera uma diminuição no nível de entusiasmo.

A Comic Con Portugal também assentou fundações na boa vontade de muitos. Uma equipa dedicada à causa de realizar um evento de proporções astronómicas e voluntários dispostos a fazer de tudo um pouco brilharam velados.

Uma longa reunião de  amigos, que se faz curta de tão prazerosa, é a melhor maneira de descrever uma tarde entre vídeos, jogos e ilustrações, um terço de um evento que ainda promete muitas surpresas.