Cultura

FANTASPORTO (DIA 3)

The human race e Soulmate foram os dois filmes fantásticos que preencheram a sessão da tarde de segunda-feira, dia 3, do FantasPorto.
O grande auditório do Rivoli, onde tiveram lugar as sessões de cinema, estava longe de estar cheio. O público, maioritariamente estrangeiro, parecia expectante.

The human race e Soulmate foram os dois filmes fantásticos que preencheram a sessão da tarde de segunda-feira, dia 3, do FantasPorto.

O grande auditório do Rivoli, onde tiveram lugar as sessões de cinema, estava longe de estar cheio. O público, maioritariamente estrangeiro, parecia expectante.

Ambos os filmes surpreenderam, quer negativa, quer positivamente.

The human race, um filme de ficção científica, realizado por Paul Hough, desenrolava-se em torno de uma maratona pela vida, isto é, em que quem não seguisse as regras – não ser ultrapassado, nem sair da pista – morreria. Apesar de, em 2013, ter sido uma das obras mais premiadas nos festivais de cinema fantástico de diversos países, no FantasPorto, os comentários foram, em geral, depreciativos. Este filme foi antecedido por Le Dernier Homme, uma curta metragem do francês Alex Courtière.

O filme Soulmate, por sua vez, foi precedido pela curta metragem do também francês AcimVasic, Dark side of heart. Aquele, realizado por Axelle Carolyn, contava a história de uma recente viúva, Audrey, que decidiu mudar de casa, a fim de ultrapassar o trauma da perda do marido. Na casa onde passou a residir, descobriu que vivia acompanhada por uma presença paranormal. Esta história entusiasmou os espectadores que se mostraram atentos do início ao fim do filme.