Cultura

Se as pessoas não podem ir ao museu, o museu vai às pessoas

A Fundação Árpád Szenes - Vieira da Silva cedeu dois vídeos que expõem as obras que constam do seu espólio. Como resultado, é possível explorar, sem contrapartidas, uma coleção de Árpád Szenes e Maria Helena da Silva, que se quiseram para o mundo.

A Fundação Árpád Szenes – Vieira da Silva, em Lisboa, metamorfoseou-se num veículo digital e rumou em direção às mentes interessadas no seu espólio. Assim, nasceu “O Museu entrega em casa. Foi você que pediu uma obra?” – uma iniciativa que permite aos interessados manter o contacto com as obras de Árpád Szenes e Maria Helena da Silva através de vídeos publicados no YouTube. O corpo pode estar enclausurado, mas o espírito flui ardente de curiosidade para aqueles que se veem estimulados pela arte.

Por isso, numa era cicatrizada pelas entregas ao domicílio, não poderia este projeto ser demominado de outra forma.

“O Museu entrega em casa”. Estas palavras emanam um especial conforto porque sentimos que as obras da fundação vêm até nós com atencioso cuidado. Ainda no título, com “Foi você que pediu uma obra?”, fica intensificada a cortesia e o privilégio que nos chega.

Não é preciso desesperar em filas, ficar preocupado com a compra dos bilhetes, nem reencontrar cartões de desconto. Desta vez , a exposição entra-nos pelo canal de YouTube do museu. Fica à distância de um click e a custo de um redondo zero.

Os vídeos têm sido disponibilizados ao longo do último mês, e não se inquietem os menos conhecedores porque uma voz guia a visita virtual e explica cada obra. Foi também criada no Instagram do museu a secção “A Poesia Está em Casa”, que apresenta trechos de cartas trocadas entre Arpad e Vieira da Silva, do livro Escrita Íntima.