Cultura

FOTOGALERIA: CATERINA BARBIERI, MEDITAÇÃO PSICOACÚSTICA

Caterina Barbieri atuou no passado domingo no Passos Manuel, no âmbito da Biennial of Contemporary Arts.

Caterina Barbieri, compositora italiana, explora temas como a inteligência artificial, padrões e efeitos de repetição no som, através de sequências e modulação. Foca-se na polifonia e polirritmia e aborda o som de uma forma única e minimalista. Lançou o LP a solo Patterns of Consciousness em 2017 e irá lançar o LP Ecstatic Computation no dia 3 de Maio deste ano.

Caterina passa pelo público e sobe para o palco em silêncio. Holofotes azuis rodeiam-na e não existe mais nada senão ela, a luz e as máquinas. O público é imediatamente absorvido pelo poder e intensidade sonora sincronizado com a presença e ausência das luzes. Num ritmo crescente, Caterina, com o seu controlo, maestria e relação sóbria e racional com o som, catapulta-nos para uma dimensão interior a roçar a existência fundamental.

Um confronto, uma explosão, um clímax. Sente-se a união entre humano e máquina, especialmente no momento em que Caterina canta inesperadamente e se difunde com o espaço e tempo. Envoltos pelos padrões sonoros e juntos a caminhar até a este novo espaço, por entre silêncios e imensidão, Caterina Barbieri prende o subconsciente e leva-o a passear e a vislumbrar o desconhecido.

Sem dúvida dos concertos mais intensos, ricos, profundos e inesperados de ver. Vale a pena sentir.

O concerto de Caterina Barbieri integrou a BoCA Bienal e foi realizado no Passos Manuel.